STF rejeita recurso e votação da reforma trabalhista será hoje

votação da reforma trabalhista

Saiba mais:
→ AO VIVO URGENTE: Votação da reforma trabalhista no Senado é retomada sob muita pressão. Acompanhe


Votação da reforma trabalhista: A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, rejeitou o mandado de segurança do senador Paulo Paim (PT-RS) que pedia a suspensão da tramitação da reforma trabalhista (PLC 38/2017).

    LISTA INTERSINDICAL

    RECEBA INFORMAÇÕES IMPORTANTES NO SEU E-MAIL

    Dessa forma, o projeto continua na pauta do Plenário do Senado para ser votado nesta terça-feira (11).

    A data não podia ser mais conveniente para o grande capital, uma vez que a mídia aproveita para concentrar a atenção dos trabalhadores  à decisão da Câmara dos Deputados de continuar ou não com a denúncia do Ministério Público contra Michel Temer.

    O governo precisa de pelo menos 41 votos. Dali, o texto segue para a sanção presidencial de Temer. As apostas dos governistas são de 50 votos favoráveis ao texto que mexe com mais de 100 dispositivos da CLT, acaba com o imposto sindical e dá poder aos patrões para formarem acordos com os funcionários e cortarem direitos.

    Os senadores que se opõem à reforma trabalhista proposta pelo governo Temer já apresentaram 33 requerimentos para votação em separado e diferentes trechos.

    Para cada um deles, o Plenário deverá decidir se aceita a solicitação e, caso aceite, deverá decidir se mantém o dispositivo específico dentro do texto. Por isso a votação da reforma trabalhista, que se inicia às 11h, deve se prolongar pela noite.

    Impacto orçamentário

    A argumentação de Paim é que a proposta da reforma trabalhista incorre em renúncia de receita para o governo federal e, portanto, precisaria estar acompanhada de uma estimativa de impacto orçamentário e financeiro.

    Caso contrário, os senadores poderiam suspender a tramitação para analisar a compatibilidade fiscal do projeto.

    Essa determinação foi criada pela Emenda Constitucional 95, que estabeleceu o Novo Regime Fiscal. Ela resultou da chamada “PEC do teto de gastos” e foi aprovada pelo Senado em dezembro de 2016.

    ” Essa PEC foi aprovada aqui. [Na Emenda 95] está muito claro que sem previsão orçamentária você não pode cometer os absurdos que essa proposta está levando para o Plenário”,  explicou Paim.

    Apelo

    O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) considera inaceitável o Senado votar nesta terça-feira (11) a reforma trabalhista, enquanto a Câmara decide se autoriza o prosseguimento da denúncia do Ministério Público contra o presidente Michel Temer por crime de corrupção passiva.

    Ele também afirma que a continuidade da reforma trabalhista sem a estimativa de impacto orçamentário “desmoraliza” o Novo Regime Fiscal recém-inaugurado.  “Vamos fazer um apelo político amanhã para os senadores não votarem uma reforma dessa neste momento, em que o presidente está prestes a ser afastado”,  disse ele.

    Fonte: Agências


    INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
    Clique aqui e curta nossa página no Facebook
    Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

    Inscreva-se
    Notificar de
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    Ver todos os comentários
    Top
    0
    Comentex
    ()
    x