STF rejeita recurso e votação da reforma trabalhista será hoje

STF rejeita recurso e votação da reforma trabalhista será hoje

votação da reforma trabalhista

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ AO VIVO URGENTE: Votação da reforma trabalhista no Senado é retomada sob muita pressão. Acompanhe


Votação da reforma trabalhista: A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, rejeitou o mandado de segurança do senador Paulo Paim (PT-RS) que pedia a suspensão da tramitação da reforma trabalhista (PLC 38/2017).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Dessa forma, o projeto continua na pauta do Plenário do Senado para ser votado nesta terça-feira (11).

A data não podia ser mais conveniente para o grande capital, uma vez que a mídia aproveita para concentrar a atenção dos trabalhadores  à decisão da Câmara dos Deputados de continuar ou não com a denúncia do Ministério Público contra Michel Temer.

O governo precisa de pelo menos 41 votos. Dali, o texto segue para a sanção presidencial de Temer. As apostas dos governistas são de 50 votos favoráveis ao texto que mexe com mais de 100 dispositivos da CLT, acaba com o imposto sindical e dá poder aos patrões para formarem acordos com os funcionários e cortarem direitos.

Os senadores que se opõem à reforma trabalhista proposta pelo governo Temer já apresentaram 33 requerimentos para votação em separado e diferentes trechos.

Para cada um deles, o Plenário deverá decidir se aceita a solicitação e, caso aceite, deverá decidir se mantém o dispositivo específico dentro do texto. Por isso a votação da reforma trabalhista, que se inicia às 11h, deve se prolongar pela noite.

Impacto orçamentário

A argumentação de Paim é que a proposta da reforma trabalhista incorre em renúncia de receita para o governo federal e, portanto, precisaria estar acompanhada de uma estimativa de impacto orçamentário e financeiro.

Caso contrário, os senadores poderiam suspender a tramitação para analisar a compatibilidade fiscal do projeto.

Essa determinação foi criada pela Emenda Constitucional 95, que estabeleceu o Novo Regime Fiscal. Ela resultou da chamada “PEC do teto de gastos” e foi aprovada pelo Senado em dezembro de 2016.

” Essa PEC foi aprovada aqui. [Na Emenda 95] está muito claro que sem previsão orçamentária você não pode cometer os absurdos que essa proposta está levando para o Plenário”,  explicou Paim.

Apelo

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) considera inaceitável o Senado votar nesta terça-feira (11) a reforma trabalhista, enquanto a Câmara decide se autoriza o prosseguimento da denúncia do Ministério Público contra o presidente Michel Temer por crime de corrupção passiva.

Ele também afirma que a continuidade da reforma trabalhista sem a estimativa de impacto orçamentário “desmoraliza” o Novo Regime Fiscal recém-inaugurado.  “Vamos fazer um apelo político amanhã para os senadores não votarem uma reforma dessa neste momento, em que o presidente está prestes a ser afastado”,  disse ele.

Fonte: Agências


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários