Sindicalista do Panamá mostra como Estados Unidos impôs neoliberalismo após invasão do país em 1989

Sindicalista do Panamá mostra como Estados Unidos impôs neoliberalismo após invasão do país em 1989

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A manhã do segundo e último dia do Seminário Internacional da Intersindical começou com a mesa sobre a conjuntura latino-americana no mundo do trabalho. Para falar sobre o momento atual de seu país, o sindicalista panamenho Erubey Villarreal remontou as mudanças sociais e econômicas impostas pelo governo estadunidense após a invasão do Canal do Panamá em 1989.

O custo da “ajuda humanitária” norte-americana, expõe Villareal, foi a flexibilização trabalhista, redução do papel do Estado na economia, privatização de serviços e abertura comercial às transnacionais.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Villarreal alertou que os números que indicam crescimento econômico escondem o aprofundamento da desigualdade do país, que se converteu um mero “centro logístico” das Américas, onde 85% dos trabalhadores estão alocadas em serviços manuais, na maioria relacionados à movimentação de carga.

Segundo o sindicalista, neste processo, a indústria panamenha desapareceu “pela raiz”, sendo substituída pela importação de produtos de outros países.

Quanto à legislação trabalhista, Villarreal destacou o crescimento da informalidade e dos contratos individuais, que fazem diminuir a cobertura da seguridade social e a massa salarial. Além disso, as mudanças trabalhistas impostas desde 1989 impactaram em leis especiais para setores trabalhistas que perderam direito à greve e até à sindicalização em alguns casos.

No Panamá, conforme repasse do expositor, também se discute uma reforma regressiva das aposentadorias. A proposta é de aumentar a idade mínima para 67 anos, tanto para homens quanto mulheres. Villarreal ainda deu especial destaque à situação da educação em seu país. Segundo ele, não há interesse do governo em educar a população, já que a maioria dos postos de serviços não exigem escritura e leitura. “Preferem a população ignorante e submissa”, sentenciou.

Texto: Matheus Lobo


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários