Caminhoneiros

Passou a greve dos caminhoneiros. E agora? | INTERSINDICAL

Passou a greve dos caminhoneiros. E agora?

A passagem de Pedro Parente no comando da Petrobras foi curta, mas os estragos foram enormes. Nomeado pelo ilegítimo Michel Temer logo após o golpe que derrubou a ex-presidente Dilma Rousseff, Parente pediu demissão no último 1º de junho após a greve dos caminhoneiros e a pressão popular contra sua gestão. Ele foi o principal responsável por mudar a política de preços da Petrobras, que passou a vincular o valor dos combustíveis nos postos às variações diárias do barril de petróleo no mercado mundial.

Regulamentação do transporte rodoviário de cargas na pauta da Câmara

Regulamentação do transporte rodoviário de cargas na pauta da Câmara

Depois da crise política produzida pelos 10 dias de paralisação dos caminhoneiros, o plenário da Câmara dos Deputados agendou para votação o projeto de lei que regulamenta o transporte rodoviário de cargas no País (PL 4.860/16). A matéria está na pauta de votações a partir desta terça-feira (5), cuja sessão deliberativa começa às 14 horas.

raiz da greve dos caminhoneiros

A raiz da greve dos caminhoneiros e a regulação do trabalho

Quase todas as análises sobre o movimento dos caminhoneiros, assim como ocorre em outros casos em que o assalariamento não é explícito, assimilam acriticamente a condição de ‘autônomos’ dos trabalhadores, sem perceber que a própria designação é um elemento central da gestão do trabalho pelas empresas, escrevem em Vitor Araújo Filgueiras, professor de Economia da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e José Dari Krein, professor do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Quarta, 30 de maio é Dia Nacional de Luta

Quarta, 30 de maio é Dia Nacional de Luta

Pela redução do preço do gás e do combustível, Frentes convocam Dia Nacional de Luta. O povo brasileiro está indignado com o alto custo de vida, o valor do gás e do combustível, que já foi reajustado mais de duzentas vezes em dois anos e exige respostas imediatas.

Centrais sindicais e movimentos se unem em defesa da Petrobras

Centrais sindicais e movimentos se unem em defesa da Petrobras

As centrais sindicais estão reunidas hoje (28), pela manhã, para discutir formas de participação das demais categorias de trabalhadores na greve dos caminhoneiros. A Frente Povo Sem Medo, também se reúne a a tarde para discutir a participação dos movimentos sociais no processo de paralisação nacional.

Chega de aumento dos combustíveis! Contra a repressão militar aos caminhoneiros! Em defesa da Petrobras!

Chega de aumento dos combustíveis! Contra a repressão militar aos caminhoneiros! Em defesa da Petrobras!

Os responsáveis diretos são Pedro Parente e Michel Temer que desde 2016 iniciaram a nova política de preços tendo como um dos eixos a paridade com os preços internacionais, o que na prática abriu a possibilidade de ajustes diários. Além disso, a diminuição da produção e a abertura do mercado nacional para a importação reforçam o objetivo claro de desmonte e privatização da Petrobras. Não a toa, no último mês, foi anunciado o plano de venda de quatro refinarias e doze terminais da Transpetro.

Nota de apoio à greve dos caminhoneiros

A Intersindical apoia os caminhoneiros em luta, e aponta a defesa da Petrobras pública como caminho para a mudança da política de preço dos combustíveis.