Servidores federais organizam mobilização em Brasília

Servidores federais organizam mobilização em Brasília

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Mais de 1600 servidores públicos federais já deixaram suas casas e estão na estrada rumo a Brasília para participarem da Caravana da Educação Federal, mobilização marcada para esta terça-feira (7), na Esplanada dos Ministérios.

Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, participará do ato em frente ao Ministério da Educação. A concentração está marcada para às 9h, próxima à Catedral de Brasília.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A mobilização dos servidores reúne entidades de peso, como a Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra), o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes) e a Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União (Fenajufe).

Outro grupo seguirá para o Ministério do Planejamento, onde está prevista mais uma tentativa de negociação entre representantes de entidades nacionais de servidores públicos federais e o governo para discutir a questão salarial.

Pauta de reivindicações

Os representantes sindicais reivindicam 27,3% somente em 2016 para recompor as perdas salariais. O governo oferece 21,3% fracionados entre os próximos quatro anos (2016 até 2019), com parcelas regressivas de 5,5%, 5%, 4,75% e 4,5% para os 1,3 milhão de ativos, aposentados e pensionistas do Poder Executivo.

“Assinar o acordo proposto pelo governo é inaceitável”, diz Bernadete Menezes, secretária de Defesa do Serviço Público da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e coordenadora da Associação dos Servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (ASSUFRGS).

“A greve está forte e nossa pauta é mais ampla do que a questão salarial. As universidades públicas estão paralisadas, bancas de mestrado suspensas, estamos falando que 90% das pesquisas tecnológicas brasileiras estão paradas por falta de investimentos”, destaca Bernadete Menezes.

Mais adesões

A greve da Fasubra, deflagrada no dia 28 de maio, acaba de ganhar mais uma instituição aliada, a Unipampa. O movimento dos trabalhadores técnico-administrativos conta agora com a adesão de 66 universidades.

Amanhã (7), a Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Fenasps) adere ao movimento e entra em greve por tempo indeterminado. Isso significa que a luta passa a contar com trabalhadores do INSS, Anvisa, MTE, Saúde e Previdência.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários