Servidores do Judiciário ocupam Brasília

Servidores do Judiciário ocupam Brasília

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Servidores do Judiciário e do Ministério Público da União estão em Brasília para pressionar os parlamentares a derrubarem o veto da presidente Dilma Rousseff ao PLC 28/2015, aprovado pelo Congresso, que promove o reajuste salarial e institui o plano de carreira da categoria.

Está marcada para às 15h de hoje (18) uma concentração, no gramado em frente ao Congresso Nacional. A orientação é para que as caravanas de servidores do judiciário, vindas de todo o país, permaneçam em Brasília até a sessão de amanhã (19). Com a pressão, a Fenajufe espera conseguir a inclusão do Veto 26 na pauta desta quarta-feira.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Nós rejeitamos o acordo firmado entre o Supremo Tribunal Federal e o governo Dilma. A nova proposta, que já tem até numeração no Congresso Nacional (PL 2648), é uma traição”, diz nota publicada pela (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União), referindo-se ao Projeto de Lei 2648/2015, pronto para votação no plenário da Câmara.

A proposta, de autoria do STF, não contou com a presença dos trabalhadores e foi diretamente negociada pelo Supremo com o Ministério do Planejamento (leia mais aqui).

Proposta irrisória

De acordo com o Sindicato dos Servidores do Judiciário e do Ministério Público da União (Sindjus), a nova proposta de reajuste do STF é “desrespeitosa” e “irrisória”.

“O novo projeto (PL 2648/2015) representa, ao final, um percentual de 23,5% na folha de pagamento do Judiciário, dividido ao longo de quatro anos, em oito parcelas semestrais, a partir de 2016. Com efeito, a proposta acordada pelo STF é desrespeitosa e humilhante. Evoluiu da vergonhosa proposta oferecida pelo Executivo de 21,3% para irrisórios 23,5%, perfazendo um acréscimo de míseros 2,2% na proposta anterior, cujo percentual sequer repõe perdas passadas e, inclusive, foi rejeitada pelo próprio STF”, reclama o sindicato.

Ainda segundo a entidade e a diretora da Fenajufe, Madalena Nunes, o anúncio de 41,47% é uma “falácia”. “O PL 2648/2015 não representa uma recomposição de 41,47% como é anunciado, pois absorve direitos já conquistados judicialmente pelos servidores, como o percentual de 13,23% referente à revisão geral fixada em 2003 – que, inclusive, já é recebido pelos servidores da Justiça do Trabalho”.

Ao absorver os 13,23%, a proposta gera, na prática, decréscimo de salário em 2016 para os servidores da Justiça do Trabalho, impondo-lhes, ainda, congelamento salarial por quase dois anos, prejuízos esses que, segundo ela, o próprio STF admite no texto do novo projeto de lei.

Leia também: STF negocia reajuste de servidores com o governo sem a presença dos trabalhadores

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários