Servidores do Judiciário, INSS e educação continuam em greve

Servidores do Judiciário, INSS e educação continuam em greve

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Eles aguardam contra-proposta financeira do Ministério do Planejamento prevista para o dia 16/09

Os servidores do Judiciário, INSS e educação não aceitaram a proposta de reajuste salarial de 5,5% em 2016 e 5,0% em 2017 feita pelo Ministério do Planejamento, por não repor as perdas salariais consumidas pela inflação do último período.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O Comando Nacional de Greve Ampliado da Fenajufe (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal e Ministério Público da União), reunido ontem (10/09) em Brasília, definiu a indicação de manutenção da greve dos servidores do Poder Judiciário Federal, a realização de apagões em todos os estados conjugados com caravanas em datas previamente determinadas e a cobrança para que se priorize a recomposição salarial dos servidores, em detrimento de juízes e cargos comissionados.

Entre os trabalhadores do INSS a orientação é permanecer em greve, intensificar as ocupações nas gerências executivas do órgão, nos núcleos estaduais de saúde e Superintendências Regionais do Trabalho e aguardar até a segunda-feira (14/09), quando haverá uma audiência entre os trabalhadores e os representantes do Ministério do Planejamento.

“O principal fator para a retomada das negociações após a última contra-proposta do governo foi a unidade e a determinação da categoria em permanecer em greve, apesar do corte de ponto e descontos de salários e ações radicalizadas em todo país”, afirma Cláudio José Machado, do Sinsprev-SP (Sindicato dos Trabalhadores de Saúde e Previdência no Estado de São Paulo).

Os trabalhadores técnico-administrativos das instituições de ensino superior aguardam a negociação com o Ministério do Planejamento prevista para a próxima quarta-feira, dia 16.

“O governo recuou na nossa negociação das 30horas e na democratização da eleição para os reitores, aguardamos uma proposta que reponha nossas perdas salariais”, explica Bernadete Menezes, secretária de Defesa do Serviço Público da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e coordenadora da Associação dos Servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (ASSUFRGS).

A Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra) fez outra contraproposta ao governo, de 9,5% em 2016, para cobrir as perdas dos últimos períodos e 5,5% em 2017.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários