Servidores do Instituto de Cardiologia paralisam atividades por 12 horas

Servidores do Instituto de Cardiologia paralisam atividades por 12 horas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Nesta terça-feira (28/06) os servidores do Instituto de Cardiologia de Santa Catarina paralisaram suas atividades por 12 horas para reivindicar a garantia do trabalho a 49 servidores que correm o risco de serem exonerados, por conta de um erro do Governo do Estado no concurso público em 2012.

Na tarde de ontem, os servidores junto ao sindicato foram à Secretária Estadual de Saúde para cobrar um medida do Estado. O secretário da Saúde João Paulo Kleinubing não apresentou qualquer novidade. Disse que incorreria em risco de improbidade administrativa caso se comprometesse em assegurar a permanência de todos os 49 servidores. De acordo com o secretário, a tese jurídica construída pela SES garante a convalidação de apenas 23 desses servidores.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Ainda de acordo com o secretário, uma hipótese que “ajudaria” a SES a evitar as demissões dos demais trabalhadores seria a aceitação de um recurso especial pelo Tribunal Superior de Justiça.

Enquanto ninguém quer se responsabilizar pelos erros do Estado, trabalhadoras e trabalhadores que hoje representam 20% do quadro de funcionários do Instituto de Cardiologia podem ser demitidos a qualquer momento.

Entenda o caso

Em 2012, foi aberto um concurso público com destinação de vagas para cada unidade, então no ato da inscrição o/a candidato/a deveria escolher em qual unidade gostaria de concorrer à vaga.

No mesmo ano, o Governo chamou 512 servidores para o Hospital Regional de São José, sob a justificativa de eliminar as Horas Plantão, o que gerou a nossa grande greve de 2012. Por reconhecer o erro, o Governo teve de remanejar esse número de servidores para outras unidades, BURLANDO o concurso público.

Com isso, o SindSaúde/SC entrou com mandato de segurança contra o Governo e em defesa dos candidatos que haviam sido aprovados no concurso e estavam esperando para serem chamados no local que haviam escolhido para trabalhar, então o ICSC, mas que perderam essa possibilidade de chamada, por conta do remanejo ilegal feito pelo Estado. A justiça não reconheceu o SindSaúde/SC como representante legal desses candidatos e então cada um/a que foi prejudicado/a entrou com ação individual, desses 50 ganharam uma liminar na justiça, que os permitia trabalhar imediatamente.

O Governo entrou na Justiça contra essas liminares e está ganhando o processo e exonerando esses servidores, que estão há dois anos trabalhando pela saúde pública.

Fonte: Sindsaúde-SC

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários