Senadores aprovam urgência para votação de reforma trabalhista

Votação Reforma Trabalhista

Saiba mais:
→ Manifestação 10/07, no MASP: Não a Reforma Trabalhista!
→ Manter a mobilização e intensificar a pressão sobre o Senado. Não à reforma trabalhista!
 Reforma trabalhista: estudo aprofundado do CESIT aponta regressão


Por 46 votos a 19, os senadores aprovaram na terça-feira (4/07), a urgência para a votação do PLC 38/17 no plenário do Senado Federal.

    LISTA INTERSINDICAL

    RECEBA INFORMAÇÕES IMPORTANTES NO SEU E-MAIL

    O desmonte da CLT e de toda a legislação trabalhista poderá ser votado já na próxima terça-feira (11), por acordo de líderes celebrado antes da votação da urgência.

    A proposta da reforma trabalhista vai ter a discussão iniciada na sessão desta quarta-feira (5).

    A votação de urgência indica grande probabilidade de o Senado aprovar na íntegra a matéria que já foi aprovada a toque de caixa pela Câmara dos Deputados, no dia 26 de abril.

    Se o texto for aprovado segue direto à sanção presidencial.

    Pressão

    De quarta (5) até a próxima terça (11), quando o projeto será votado, o plenário vai realizar sessões de debates da matéria. Hoje, a partir das 14 horas, o plenário realiza discussão da reforma trabalhista.

    Todos senadores inscritos poderão falar pelo tempo regimental, no limite de 22h.

    Na quinta-feira (6), entre 11 e 14h, o plenário realiza nova sessão de discussão.

    Na terça que vem, os líderes encaminham a votação do texto aprovado na Câmara, a partir de 11h, e, em seguida, votam o projeto.

    Regime de urgência

    Em regime de urgência, a reforma trabalhista segue tramitação especial. Na discussão, os senadores podem falar apenas uma vez e por 10 minutos cada — cinco a favor e cinco contra a proposta.

    Mas o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE) avisou que vai conceder a palavra a todos que se inscreverem.

    Até a última sexta-feira (30), já havia 13 emendas de plenário, todas do senador Paulo Paim (PT-RS).

    Essas sugestões para mudar a reforma trabalhista não precisam voltar para a análise das comissões. Recebem parecer em plenário.

    O PLC 38/17 recebeu pareceres divergentes durante a tramitação: dois a favor (CAE e CCJ) e um contra (CAS) a proposta.

    No plenário, a tendência é de que o projeto seja votado nos termos do último parecer.

    Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado


    INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
    Clique aqui e curta nossa página no Facebook
    Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

    Inscreva-se
    Notificar de
    guest
    0 Comentários
    Inline Feedbacks
    Ver todos os comentários
    Top
    0
    Comentex
    ()
    x