Senado aprova lei de terrorismo com brecha para a criminalização de greves e atos políticos

Senado aprova lei de terrorismo com brecha para a criminalização de greves e atos políticos

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora

O Plenário do Senado aprovou na quarta-feira (28/10), com 38 votos favoráveis e 18 contrários, o Projeto de Lei (PLC) 101/2015 que tipifica o crime de terrorismo e intimida os movimentos sociais. A versão aprovada foi o texto substitutivo do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), o que gerou muita polêmica e mais de duas horas de debate entre os senadores.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A proposta do tucano tipifica como terrorismo o ato de “atentar contra pessoa, mediante violência ou grave ameaça, motivado por extremismo político, intolerância religiosa ou preconceito racial, étnico, de gênero ou xenófobo, com objetivo de provocar pânico generalizado”. A pena de reclusão é de 16 anos a 24 anos em regime fechado. Se o crime resultar em morte a reclusão será de 24 a 30 anos.

O trecho mais delicado para os movimentos sociais é que estabelece o “ato de terrorismo por extremismo político quando o atentado for contra instituições democráticas, de forma a comprometer o funcionamento delas”. Neste caso o projeto abre brecha para que protestos, greves e manifestações sociais ainda sejam enquadradas como atos terroristas.

O texto especifica ainda os atos que podem ser caracterizados como terroristas, entre eles interromper serviços de comunicações, sequestrar aviões, provocar explosões propositais ou o uso de gás tóxico e material radiológico em prédios e locais com grande aglomeração de pessoas.

Luta social

Vários senadores demonstraram a preocupação de que movimentos sociais e mobilizações reivindicatórias em geral sejam caracterizadas como extremismo político e seus atos tipificados como terroristas. “Esse projeto vulnerabiliza a luta social em nosso país”, concluiu o senador Randolfe Rodrigues (Rede).

Uma das emendas apresentadas visava a ressalvados movimentos sociais no texto, deixando claro que eles não se enquadrariam como organizações terroristas. A proposta foi assinada por senadores do PSOL, PT, PSB e Rede. A oposição, no entanto, foi contra.

Todas as emendas foram rejeitadas, exceto a que foi acatada pelo relator no final da discussão e que novamente fragilizou a liberdade de luta dos movimentos sociais: a que estende o conceito de terrorismo político para a prática de atentados contra o Estado Democrático, de forma a comprometer o funcionamento de suas instituições.

O texto volta à apreciação da Câmara dos Deputados, que poderá acatar as modificações do Senado ou retomar o projeto originalmente aprovado por eles mesmos.

Foto: Google imagens

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários