Senado aprova entrega do pré-sal e exclusão de participação obrigatória da Petrobras

Senado aprova entrega do pré-sal e exclusão de participação obrigatória da Petrobras

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Por 40 votos a 26 e duas abstenções o Senado aprovou na quarta-feira (24) a revogação da participação obrigatória da Petrobras na exploração do petróleo no pré-sal. A proposta do senador José Serra (PSDB-SP), o PLS131/2015, tramitava em regime de urgência e segue agora para a Câmara dos Deputados.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

Após um acordo entre o PSDB, parte da bancada do PMDB e com integrantes do governo foi aprovado um texto substitutivo apresentado pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR) que define como tarefa do Conselho Nacional de Política Energética oferecer à Petrobras a exploração mínima de 30% em cada campo. A empresa se manifestará se aceita ou não a responsabilidade.

Pela lei atual, aprovada em 2010, a Petrobras deve atuar como operadora única dos campos do pré-sal com uma participação de pelo menos 30%. Além de ser a empresa responsável pela condução e execução, direta ou indireta, de todas as atividades de exploração, avaliação, desenvolvimento e produção.  Mas isso pode mudar, a depender agora dos deputados.

O texto de Serra propõe o fim da exclusividade sem retirar a preferência da estatal. O senador argumenta que seu projeto alivia a Petrobras de uma obrigação que ela não pode mais arcar, sem condições de investimento. Ele destacou as dificuldades financeiras da empresa, com uma dívida de R$ 500 bilhões, e afirmou que o objetivo é fortalecer a Petrobras.

A aprovação do projeto pelos deputados vai impactar a Lei 12.858/2013, conhecida como a Lei dos Royalties, que destina 75% dos royalties do petróleo e 50% do Fundo Social do Pré-Sal para a educação.

Wikileaks já havia denunciado promessa de Serra à petrolífera Chevron

Para a Intersindical Central da Classe Trabalhadora, os recursos naturais do Brasil devem estar a serviço dos interesses do povo e não do lucro privado. Além de que, os preços do petróleo estão sendo mantidos artificialmente baixos em todo o mundo (cerca de US$ 30), em razão de uma manobra internacional pelo controle do mercado.

“Alterar as regras dos leilões de petróleo no Brasil é nada mais do que uma doação”, afirma Edson Carneiro Índio, Secretário-geral da Intersindical.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) tem sido uma das poucas vozes expressivas do Senado a discursar contra o projeto de Serra e de parte do próprio PMDB, do qual ele mesmo faz parte.

Para Requião, o projeto “não tem sentido” e não haverá investimento estrangeiro, apenas a entrega das reservas brasileiras para as multinacionais. Ele disse acreditar na capacidade técnica de recuperação da Petrobras e voltou a apontar causas geopolíticas internacionais para a baixa no preço do barril de petróleo e ainda alfinetou José Serra:

“Por que esse desejo de velocidade? Atende a quem? O que está atrás disso?”, questionou Requião. “O Wikileaks assegurou que o senador Serra havia prometido (à petroleira Chevron) acabar (com o domínio do setor pela Petrobras)”, acrescentou.

Em 2009, de acordo com o site Wikileaks (que expôs ações secretas e de espionagem do governo norte-americano), Serra teria prometido a uma representante da americana Chevron que, caso vencesse as eleições em 2010, mudaria a legislação que rege as regras do pré-sal.

“ É um projeto que quebra a Petrobras, porque, sem o pré-sal, ela não sobrevive à crise, que pode ser ultrapassada rapidamente. Sobe o preço do petróleo, vai para o patamar dos US$80, e está tudo isso resolvido”, reclamou Requião.

Leia também:
Senado pode votar fim da exclusividade da Petrobras no pré-sal

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários