fbpx

Senado aprova cláusula de barreira para exterminar a representação política da esquerda e a possibilidade de reorganização popular

Leia também:
11/11 – Dia Nacional de Greves começa forte em todo o País


Se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece cláusula de barreira para as legendas que irão disputar as próximas eleições de 2018 for aprovada no Senado e na Câmara, legendas ideológicas – como PSOL, PPS, PCdoB e Rede – estariam fora da representatividade do Congresso, do acesso ao programa eleitoral no rádio e na TV e ao fundo partidário.

A tramitação desta PEC avançou ontem no Senado. O plenário aprovou na noite de quarta-feira (9), em 1º turno, que os partidos terão de obter, no mínimo, 2% dos votos válidos para a Câmara dos Deputados, em 14 unidades da Federação, para ter representatividade no Congresso, acesso ao fundo partidário e ao programa eleitoral de rádio e TV. O porcentual de desempenho sobe para 3% a partir de 2022.

A proposta ainda tem que ser votada em 2º turno no Senado e depois passar pela Câmara dos Deputados. “A Reforma Eleitoral aprovada no Senado nesta quarta é uma afronta à democracia e cerceamento do direito de manifestação de pensamento, onde quem contesta e aponta as falcatruas do status quo e não pode ser ouvido pela população, que é sempre a atingida  pelos donos do poder de plantão”, disse Francisvaldo Mendes, da Direção Nacional do PSOL.

Durante a discussão no plenário, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou uma sugestão para flexibilizar os porcentuais de desempenho: a cláusula seria de 1% em 2018, 1,5% em 2022 e 2% em 2026. Tais porcentuais poupariam legendas consideradas ideológicas, como Rede, PSOL, PPS, PV e PCdoB. Mas a proposta acabou derrotada.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

One Comment;

*

Top