Senado aprova a PEC 55, que congela investimentos públicos e massacra servidores

Povo se revolta contra a aprovação da PEC 55. Veja como votou cada senador

Por 53 votos a favor e 16 contra o Senado aprovou, em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição do Teto de Gastos (PEC 55/2016). A PEC da maldade, como ficou conhecida, que congela os investimentos públicos pelos próximos 20 anos, a partir de 2017.

Após a aprovação do texto-base, que garante o massacre dos serviços públicos em benefício dos rentistas, foram apreciados dois destaques. Ambos foram rejeitados.

O primeiro tratava da limitação de despesas obrigatórias, em particular o salário mínimo e o segundo destaque tentava modificar a proposta para garantir um limite mínimo de gastos com saúde e educação. Mas este também foi rejeitado por 52 votos a 19.

A PEC 55 agora segue agora para sanção do golpista Michel Temer. A previsão é que seja promulgada nesta quinta-feira (15). aprovado às pressas em 1º turno em 29 de novembro, por 61 votos a 14. Foram três sessões consecutivas num mesmo dia, sendo duas delas extraordinárias.

O povo se revolta contra a PEC 55

Em diversas partes do país trabalhadoras e trabalhadores realizaram manifestações contra a PEC 55. Em São Paulo, as Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular realizaram um grande ato na Avenida Paulista.

Parindo da Praça do Ciclista, a manifestação seguiu sentido ao outro extremo da avenida. Ao passar em frente à FIESP (Federação das Indústrias de São Paulo), uma das principais financiadoras e articuladoras do golpe em curso ao logo deste ano, a milhares de pessoas revoltadas destruíram a fachada de entidade presidida por Paulo Skaf.

Ataques do governo Temer

“O Senado Federal realizou mais um golpe contra o povo brasileiro e contra as políticas públicas – a educação e a saúde públicas, o investimento na moradia e demais serviços sociais –, votando a PEC 55 para destinar mais serviços para os banqueiros”, explicou Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical.

Índio complementou dizendo que “eles também estão pretendendo fazer uma Reforma da Previdência para impedir os trabalhadores e trabalhadoras de se aposentarem, depois de um longo período de trabalho”.

Veja como votou cada senador

A favor da PEC 55

Aécio Neves (PSDB-MG)
Aloysio Nunes (PSDB-SP)
Álvaro Dias (PV-PR)
Ana Amélia (PP-RS)
Antonio Anastasia (PSDB-MG)
Antonio C Valadares (PSB-SE)
Armando Monteiro (PTB-PE)
Ataídes Oliveira (PSDB-TO)
Benedito de Lira (PP-AL)
Cidinho Santos (PR-MT)
Ciro Nogueira (PP-PI)
Cristovam Buarque (PDT-DF)
Dalírio Beber (PSDB-SC)
Deca do Atacadão (PSDB-PB)
Edison Lobão (PMDB-MA)
Eduardo Amorim (PSC-SE)
Eduardo Braga (PMDB-PA)
Elmano Férrer (PTB-PI)
Eunício Oliveira (PMDB-CE)
Fernando Coelho (PSB-PE)
Flexa Ribeiro (PSDB-PA)
Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
Gladson Cameli (PP-AC)
Hélio José (PMDB-GO)
Ivo Cassol (PP-SC)
José Agripino (DEM-RN)
José Anibal (PSDB-SP)
José Maranhão (PMDB-PB)
José Medeiros (PSD-RN)
Lasier Martins (PDT-RS)
Lúcia Vânia (PSB-GO)
Magno Malta (PR-ES)
Marta Suplicy (PMDB-SP)
Osmar Aziz (PSD-AM)
Otto Alencar (PSD-BA)
Pastor Valadares (PDT-RO)
Paulo Bauer (PSDB-SC)
Pedro Chaves (PSC-MS)
Pinto Itamaraty (PSDB-MA)
Raimundo Lira (PMDB-PB)
Reguffe (sem partido-DF)
Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
Roberto Muniz (PP-BA)
Romero Jucá (PMDB-RR)
Ronaldo Caiado (DEM-GO)
Sérgio Petecão (PSD-AC)
Simone Tébet (PMDB-MS)
Tasso Jereissati (PSDB-CE)
Telmário Mota (PDT-RR)
Valdir Raupp (PMDB-RO)

Contra A PEC 55

Ângela Portela (PT-RR)
Dário Berger (PMDB-SC)
Fátima Bezerra (PT-RN)
Gleisi Hoffomann (PT-PR)
Humberto Costa (PT-PE)
João Capiberibe (PSB-AP)
Jorge viana (PT-AC)
José Pimentel (PT-CE)
Kátia Abreu (PMDB-TO)
Lídice da Mata (PSB-BA)
Lindbergh Farias (PT-RJ)
Paulo Paim (PT-RS)
Paulo Rocha (PT-BA)
Regina Sousa (PT-PI)
Roberto Requião (PMDB-PR)
Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)

Fotos de Sao Paulo

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

*

Top