Senado acelera tramitação do PLS 555/2015 que transforma empresas públicas em sociedades anônimas

Senado acelera tramitação do PLS 555/2015 que transforma empresas públicas em sociedades anônimas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A votação do PLS 555/15 (conhecida como Lei Geral das Estatais), que na prática libera a privatização das empresas públicas, está prevista para ocorrer hoje (16/09) no Senado Federal.

O projeto integra a “Agenda Brasil”. Na última quinta-feira (10), o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), conseguiu que o projeto passasse a tramitar em regime de urgência.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Com a justificativa de garantir a “transparência”, o projeto prevê que as “empresas públicas e sociedades de economia mista sejam constituídas sob a forma de sociedade anônima”.

O PLS 555/15 coloca em risco o emprego público, enfraquece as empresas estatais, abre brechas para a terceirização e flexibiliza as regras para que uma estatal feche um contrato sem licitação.

Além de transformá-las em sociedades anônimas, o PLS 555/15 define que os conselhos de administração das estatais deverão contar com a presença mínima de 20% de membros independentes e seus integrantes serão impedidos de manter relações sindicais, partidárias ou de parentesco com pessoas no comando do Poder Executivo ou da própria empresa.

Essa regra e o percentual mínimo de 20% de membros independentes também prevalecerão para os comitês de auditoria, de indicação e de avaliação.

“Abrir o capital dessas empresas é privatizar, é possibilitar que o capital privado tenha ingerência nelas, essas empresas públicas precisam ser publicizadas, ter o controle dos trabalhadores sobre elas, essa é a melhor forma de serem responsivas, terem transparência e um controle democrático da população sobre elas”, afirma Edilson Montrose, militante da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e do Coletivo Bancários na Luta.

Petrobras, Caixa e Banco do Brasil na mira

Originário de proposta conjunta de Renan Calheiros, e do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, o PLS 555/15 obriga as empresas estatais a seguirem regras de governança e controle proporcionais à relevância e ao risco do negócio.

Em outras palavras, aumenta a interferência de acionistas sobre empresas públicas. O projeto determina que estatais como a Petrobras, por exemplo, trabalhem apenas com as chamadas ações ordinárias na bolsa, isto é, que dão direito a voto aos acionistas. As empresas teriam um prazo de dez anos para fazer essa adequação.

Se aprovado, o novo projeto também ameaça, por exemplo, os Correios, a Caixa Econômica Federal, por ser 100% pública, e traz condições que alteram a composição do Banco do Brasil, que é uma economia mista. O projeto valeria para todas as estatais e empresas públicas federais, estaduais e municipais.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

#ForaBolsonaro - Próxima Mobilização: 24 de Julho
#ForaBolsonaro - Próxima Mobilização: 24 de Julho
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
LARA
LARA
5 anos atrás

Sinpaf e empregados da EMBRAPA VAMOS AGIR!