Intersindical participa do Ato e Seminário em Defesa das Empresas Públicas

Intersindical participa do Ato e Seminário em Defesa das Empresas Públicas

Intersindical no Seminário em Defesa das Empresas Públicas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Ocorreu no dia 08 de maio (terça), o Seminário e o Ato em Defesas das Empresas Públicas no Congresso Nacional (Brasília/DF) convocado pelo Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas. A atividade faz parte do esforço conjunto de movimentos sociais e sindicais na luta contra a privatização das estatais e da defesa da soberania nacional.

Desde o golpe (2016), a agenda golpista tem trabalho em três grandes eixos: a retirada de direitos, a construção de um estado penal e a dilapidação do patrimônio nacional. Esta agenda vem sendo duramente rejeitada pela sociedade brasileira, o que explica a forte rejeição popular em relação ao governo Temer. Porém, mesmo com a repulsa de amplos setores sociais, os projetos de lei da agenda do golpe continuam tramitando no Congresso, para a alegria dos interesses dos bancos e do capital estrangeiro.

Diante disso, o Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, instrumento unitário de diversas organizações sindicais e populares, realizou o Seminário e o Ato em Defesa das Empresas Públicas, no Auditório Nereu Ramos no Congresso Nacional no dia 08 de maio. O Seminário contou com o apoio de parlamentares progressista e teve como objetivo denunciar o desmonte do estado, que tem sido encaminhado pela agenda de privatizações propostas pelo Programa de Parcerias para o Investimento – PPI, que coloca sob risco de venda ao capital privado aproximadamente 200 empresas estatais brasileiras.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O Seminário contou com a participação das centrais sindicais – Intersindical, CUT e CTB – e representações das empresas públicas – Caixa Econômica, Banco do Brasil, Embrapa, Petrobras, BNDES, Eletrobrás e EBC.

O seminário ocorre em um momento em que a Eletrobrás encontram-se ameaçada peloProjeto de Lei 9463/2018 que inclui a central elétrica no PND – Plano Nacional de Desestatização, o que acarretará um enorme prejuízo à soberania energética e o aumento de 17% da tarifa para os consumidores, segundo previsões de entidades sindicais do setor. Um dia antes do Seminário (07/05), a direção dos Correios anuncia o fechamento de 513 agências e a demissão 5,3 mil funcionários, um preâmbulo para a privatização.

Segundo Ricardo Saraiva – Big, Secretário de Relações Internacionais do Intersindical, que esteve presente na atividade, “as empresas públicas cumprem um papel estratégico no processo de desenvolvimento nacional e da manutenção da soberania, emprego, na produção de tecnologia e na construção de uma sociedade de direitos; é exatamente por isso que estão sendo ameaçadas de privatização. O “desgoverno” assume uma tática de terra arrasada com o único objetivo de transforma tudo – energia, água, terra, serviços públicos – em mercadorias completamente subordinada aos interesses privados e estrangeiros”.  A diretora do Sindicato dos Bancários do Espírito Santo, Rita Lima, entidade filiada a Intersindical, também este presente, compondo a delegação dos bancos públicos brasileiros no seminário.

A atividade reafirmou o compromisso de defender o patrimônio público e a soberania nacional por meio de ações políticas de massas e também com a pressão para que se realizem eleições livres e democráticas em 2018. Para tanto, foi elaborada uma carta compromisso que será entregue aos candidatos contendo a pauta de defesa das Empresas Públicas.

Para completar o sentido geral de denúncia do ataque aos serviços públicos, foi lançado o Livro “Se é Público, é para todos”, organizado pelo Sociólogo Emir Sader. Que toca com artigos relacionados a defesa da atividade pública e do papel do estado na garantia dos direitos sociais e fundamentais.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora, estará em unidade com as demais entidades sindicais em defesa das empresas públicas brasileiras. A linha geral de atuação definida pela direção da Central passa por estabelecer um amplo processo de unidade política em torno da pauta da soberania e da defesa dos direitos e da democracia. Assim, construir ações conjuntas em torno agenda de resistência às privatizações é uma tarefa da direção e de todas entidades filiadas à Intersindical.

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Facebook Intersindical

Instagram Intersindical

YouTube Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários