Semana de ataques à classe trabalhadora em Brasília. Mobilização já!

Semana de ataques à classe trabalhadora em Brasília. Mobilização já!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Intersindical alerta sobre a votação da Reforma Trabalhista
→ Reforma Trabalhista: relator legaliza chantagem sobre trabalhador


A Intersindical Central da Classe Trabalhadora está em Brasília para acompanhar a movimentação dos arquitetos do golpe contra a classe trabalhadora ao lado do Fórum Interinstitucional de Defesa dos Direitos. A semana que se inicia é de alerta máximo em todo o país.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O governo Temer segue à risca a agenda de retrocessos, fazendo tramitar apressadamente e sem a devida discussão com a sociedade o Projeto de Lei (PL) 6787/2016 (que trata da Reforma Trabalhista), e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/16, que pode desmonta a Seguridade Social e Previdência pública.

Na última quarta-feira (12), a Comissão Especial da Reforma Trabalhista leu o relatório do deputado Rogério Marinho (PSDB/RN), cujo teor objetiva acabar com os direitos trabalhistas, rasgando a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) e aprofunda, ainda mais, o processo de terceirização, sancionado no dia 31 de março por Michel Temer.

A previsão da Comissão Especial é que o relatório seja apreciado e votado nesta terça-feira (17). Para isso, é preciso aprovar um requerimento de urgência em Plenário. Assim, os prazos de vistas (duas sessões) e emendas ao substitutivo (cinco sessões) apresentado pelo relator, deputado Rogério Marinho, na quarta-feira passada, poderiam ser dispensados.

A depender de outras manobras na agenda de votações, o PL 6787/2016 já poderia  seguir para a votação pelo Plenário da Câmara.

Previdência

Já a PEC 287/16 da Reforma da Previdência, terá a leitura do relatório do deputado Arthur Maia (PPS/BA) na sessão da Comissão, nesta terça-feira (18). Na semana passada, o deputado adiantou uma prévia do que poderá ser apresentado, com poucos recuos, mas nada muda em relação ao tempo de contribuição e nem o pedágio para que o trabalhador possa se aposentar com integralidade.

Mobilização já

Diante desta agenda nociva à classe trabalhadora, é necessária total pressão e mobilização do movimento sindical, realizando uma grande ofensiva de guerrilha virtual e pressão direta sobre os parlamentares (tanto os da Comissão Especial da Reforma Trabalhista, quanto os deputados  e os partidos políticos nos Estados).

É imprescindível visitar os gabinetes nos Estados e em Brasília, realizar ações nas bases dos deputados, enviar e-mails e pressioná-los nas redes sociais.

Clique aqui para falar com seu deputado

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Foto: Dida Sampaio

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários