Secretário da Federação Sindical Mundial faz palestra e debate

Secretário da Federação Sindical Mundial faz palestra e debate

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Sindicato dos Bancários de Santos e Região

O cubano Ramon Cardona, secretário da Federação Sindical Mundial (FSM) na América Latina e Caribe e integrante da Central de Trabalhadores de Cuba (CTC), esteve em Santos dias 24 e 25/2, a convite do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e da Intersindical – Central da Classe Trabalhadora. Cardona assistiu, dia 24, a uma apresentação do coral do Sindicato, Grupo Vozes e, no dia 25, participou de uma reunião com a diretoria do Sindicato para explicar sobre o objetivo da FSM no mundo trabalhista e assistiu apresentação da orquestra de violões Cordas Bancárias. No início da noite, Cardona fez debate sobre a atual conjuntura política com o tema: BLOQUEIO AINDA EXISTE, RELAÇÕES CUBA X EUA E AMÉRICA LATINA.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

FSM é a mais antiga do mundo

A FSM foi fundada em Paris, em 1945. É a organização sindical internacional mais antiga e fundadora da Organização Internacional do Trabalho – OIT. Segue a linha do movimento classista e luta contra o capital e o imperialismo, por uma sociedade sem exploração do homem pelo homem. Tem representantes na ONU, Unesco, FAO e OIT. Atualmente tem 80 milhões de membros em 120 países.

Entrevista

Cardona_diretoria-3694Ramon Cardona iniciou dizendo que: a FSM agrupa todos aqueles que defendem de verdade aos interesses dos trabalhadores. Porque existem organizações sindicais que dizem que defendem os direitos, mas na prática atuam contra os seus interesses. 

A Federação Mundial tem um plano internacional de defesa dos direitos dos trabalhadores e forma um destacamento de vanguarda com representantes sindicais. O capitalismo precisa de lucro a todo custo para sobreviver. Para isso, tem que explorar os trabalhadores cada vez mais vigorosamente. Como consequência, poucos detêm muitas riquezas e milhares têm pouca renda. O resultado é desemprego mundial. Na Espanha 50% estão desempregados, o mesmo acontece na Itália, Portugal, Grécia, América Latina.

“Precisamos defender a soberania e a economia de nossos países, com a integração dos trabalhadores, contra ataques capitalistas. Nisso o setor bancário tem muita importância para a sociedade. Sobretudo, porque o capital financeiro é fundamental ao capitalismo. Os trabalhadores bancários têm uma função social muito grande. Cada vez mais o capitalismo concentra-se no setor financeiro. O Sindicato dos Bancários de Santos (e Região) é exemplo de defesa dos direitos dos trabalhadores acima dos interesses dos patrões. É um sindicato que sabe lutar pela categoria e tem vínculos com os movimentos sindicais nacionais e internacionais. 

Também temos muitos pontos de vista em comum com a Intersindical. Os momentos são complexos no Brasil, Venezuela, Argentina e outros países do continente que estão sofrendo ataques do imperialismo norte-americano. Os direitos trabalhistas estão terrivelmente ameaçados. A FSM discutirá métodos com a Intersindical e outras organizações filiadas, a fim de defender e fortalecer os anseios dos trabalhadores brasileiros, latinos americanos e caribenhos”, ressalta o Secretário da FSM.

Sobre o Bloqueio dos EUA contra Cuba

Cardona fez questão de frisar que o bloqueio é um genocídio, não existe nenhum outro lugar do mundo que durou 53 anos. A vontade de negociar dos norte-americanos é bem-vinda. Mas o que se está fazendo é mudando a tática, mas mantendo a estratégia. A estratégia continua sendo destruir a soberania e a liberdade conquistada pelo povo cubano após a revolução socialista. 

“Os ianques (norte-americanos), para dizer que o bloqueio acabou, facilitaram a entrada de produtos cubanos, mas apenas aqueles que foram produzidos por setores privados. No entanto, os produtos produzidos pelo estado cubano estão proibidos, com objetivo de incentivar a privatização e destruir o Estado Socialista de dentro para fora. A abertura das relações diplomáticas é outra tática para estar dentro de Cuba e tentar minar a soberania. Porém o povo cubano está preparado para enfrentar essa manipulação”, encerra Cardona.

“Nós da INTERSINDICAL, que temos compromisso para com um sindicalismo classista, e propomos o socialismo, como um modelo de sociedade diferente em favor dos trabalhadores e trabalhadoras e dos povos empobrecidos por este sistema capitalista, temos uma grande tarefa a realizar”, Afirma Ricardo Saraiva Big, Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e Secretário de Relações Internacionais da Intersindical.

Fonte: Imprensa SEEB Santos e Região

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários