Sammer Siman | E quem paga a conta da crise?

conta da crise

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
  • Sammer Siman*

E agora José?
A festa acabou. A luz se apagou…

Que o de cima sobe e o de baixo desce é uma lição que aprendemos desde que o mundo é mundo, ou, melhor dizendo, desde que o Brasil é Brasil, pelo menos a julgar por esse capítulo que beira a 516 anos de história. A desigualdade estrutura nossas relações e quanto a isso nem Deus duvida.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O que diferencia cada momento histórico pelo qual passamos é, via de regra, o horizonte de expectativas que embala as maiorias: Exemplo foi a última década em que cresceram aspirações sociais diversas, e não sem razão: Uma parcela expressiva da população passou a se alimentar e a se vestir melhor; muitos(as) acessaram o ensino superior; muitos(as) que estavam na Universidade vislumbraram um bom emprego, e por aí vai.

No entanto, a festa acabou. Pareceu heresia quando dissemos há pouco mais de um ano atrás que, fosse Dilma, fosse Aécio, a crise era anunciada e nenhum destes governos enfrentaria o “tal” mercado. Isso num tempo de olé olé, oba oba, Dilmãe, coração valente não foi uma afirmação trivial, mas se existe algo certo é que só quem pode julgar é a história.

De lá pra cá, a vaca tossiu, resfriou, pegou pneumonia e agora segue se lambuzando no brejo. Direitos trabalhistas foram cortados, a exemplo das alterações da regra do seguro desemprego; um mar de lama matou gente e rio diante de um silêncio rotundo dos governos, conforme denunciamos; a presidente vetou a auditoria da dívida pública aprovada no Plano Plurianual do Orçamento pelo Congresso (sim, o tal mais conservador da história!), o Senado recentemente entregou o Pré-Sal pras multinacionais e a celeuma continua: Reforma da Previdência à vista para adular ainda mais o tal “mercado” e botar a conta no lombo do trabalhador, PL 555 pra entregar as empresas públicas e estatais, e por aí vai.

No âmbito do serviço público, parafraseando Mr. Catra, o bagulho ficou sério. Se em 2015 o chicote estalou no lombo das Universidades, da saúde, da educação em geral e de outros serviços que já nem mais parecem essenciais, o ano de 2016 já traz novidades reveladoras.

Talvez a maior delas seja anúncios de cortes no âmbito do judiciário, o poder mais conservador deste país, o panteão da tragédia do povo, que encarcera pretos e pobres enquanto alguns seguem impunes diante de helicópteros abarrotados de pó. No entanto, tais anúncios são reveladores. A propósito, quem pagará a conta?

No caso do judiciário, será também o trabalhador, ou seja, os seus servidores. Salários congelados, novos concursos não serão realizados, as condições de trabalho deterioradas e, quiçá, demissões ocorrerão. Já para os magistrados – os tais juízes togados – não estarão em questão as farras das férias remuneradas, o 14º salário e um dos maiores ESCÂNDALOS do período republicano, o auxílio moradia que repassa cerca de 60 mil reais por ano para cada juiz, uma casta que, definitivamente, não sofre com a falta de moradia – o máximo que fazem a respeito deste tema é despejar famílias de sem tetos que ocupam terrenos ociosos para sobreviver.

Definitivamente, a festa acabou. E se não reagirmos à altura, do ponto de vista da organização da classe, guardanapo sujo vai virar bolo enquanto a música seguirá sendo ditada pela minoria abastada que, na saúde ou na doença, na pobreza ou na riqueza, segue engordando os burros nessa pátria amada e irrealizada chamada Brasil.

*Sammer Siman é dirigente do movimento popular de luta por moradia, Brigadas Populares, filiada à Intersindical – Central da Classe Trabalhadora.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários