Rodrigo Maia prepara ataques ao povo, assim que for votada denúncia contra Temer

Rodrigo Maia prepara ataques ao povo, assim que for votada denúncia contra Temer

Rodrigo Maia prepara ataques ao povo - INTERSINDICAL

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Trabalhadoras/es precisam retomar mobilização unitária

O Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), afirmou nesta terça-feira, dia 24, que prepara uma agenda de votações assim que for votada hoje a denúncia contra Temer. Maia quer demonstrar protagonismo, diante do desgaste e da desmoralização de Temer.

Mas se o marido da dona Marcela só consegue se sustentar na presidência agarrando-se nos projetos pretendidos pelo grande capital, que por consequência, são nefastos ao país e à classe trabalhadora, a agenda de Maia não é diferente.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Maia quer votar alterações na previdência, como o aumento do tempo de contribuição para trabalhadoras/es terem acesso à aposentadoria, por meio de um projeto de lei (e não mais através de uma PEC), que exige maioria simples de votos, número bem menor que o necessário de uma emenda constitucional, que requer dois terços dos votos dos parlamentares. Outra medida estudada por Maia para encaminhar através de PL seria aumentar a alíquota de contribuição dos servidores inativos.

Dinheiro público para bancos privados

Outra medida articulada por Rodrigo Maia visa permitir que o Tesouro Nacional utilize dinheiro público para socorrer bancos privados “em dificuldades”.

Além disso, um conjunto de medidas mirando o serviço público está na agenda, como o fim da estabilidade dos servidores.

A rigor, tanto a permanência de Temer quanto uma eleição indireta que indicaria Rodrigo Maia à presidência só interessam ao grande capital, pois ambos não têm compromissos com os interesses populares.

“Por isso, é fundamental seguir na luta para derrubar Temer e estabelecer eleições diretas para o povo decidir os rumos do país”, afirma Edson Carneiro Índio. “Mais importante ainda é a classe trabalhadora, os setores populares e democráticos retomarem a mobilização e a luta unitária para impedir a aprovação destes projetos. Um bom momento para isso será no dia 10 de novembro, Dia Nacional de Paralisações e mobilizações em defesa dos direitos, contra o fim da aposentadoria, a vigência da reforma trabalhista, o trabalho escravo, as privatizações e o conjunto da pauta que motivou o golpe de 2016”, conclui Índio, Secretário Geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários