Rodoviários de Porto Alegre fazem campanha salarial e lutam pela manutenção de 3,6 mil cobradores

Rodoviários de Porto Alegre fazem campanha salarial e lutam pela manutenção de 3,6 mil cobradores

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Wenceslau Machado: Transporte público cada vez mais precarizado em nome do lucro aos patrões


O aperto das empresas de transportes coletivos sobre os trabalhadores conta com a conivência do prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan (PSDB)

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A possibilidade de extinção dos cargos de cobrador vem sendo ventilada pelo prefeito, bem como a intenção de eliminar a cobrança em dinheiro do transporte coletivo da capital gaúcha.

Segundo palavras do próprio prefeito, os cobradores “terão que buscar outra atividade”. Atualmente, 3,6 mil trabalhadores exercem a função de cobrador em Porto Alegre.

As negociações do dissídio da categoria, cuja data-base é 1º de fevereiro, estão paradas.

A atual proposta do Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) oferece aos rodoviários a recomposição da inflação dos últimos 12 meses em duas parcelas, metade a ser paga referente a fevereiro e a outro a julho. A categoria diz que a proposta é inaceitável e sequer pode ser levada para análise de uma assembleia.

A categoria exige a reposição da inflação mais ganho real de 3,5%, além de reajuste no vale alimentação.

Reunião

Na tarde de terça-feira (31), representantes dos rodoviários expuseram suas questões ao prefeito. Wenceslau Machado, da direção nacional da Intersindical central da Classe Trabalhadora, esteve presente no Palácio Piratini, e contou que não houve qualquer sinal de boa vontade em negociar.

“As empresas estão exigindo a retirada da universalidade da gratuidade para quem tem entre 60 e 65 anos e uma revisão da isenção da segunda tarifa para quem utiliza o cartão TRI para pegar um segundo ônibus em até 30 minutos, isso é inaceitável”, diz Wenceslau Machado.

Fonte: INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários