Rodoviários de Porto Alegre fazem campanha salarial e lutam pela manutenção de 3,6 mil cobradores

Saiba mais:
→ Wenceslau Machado: Transporte público cada vez mais precarizado em nome do lucro aos patrões


O aperto das empresas de transportes coletivos sobre os trabalhadores conta com a conivência do prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan (PSDB)

A possibilidade de extinção dos cargos de cobrador vem sendo ventilada pelo prefeito, bem como a intenção de eliminar a cobrança em dinheiro do transporte coletivo da capital gaúcha.

Segundo palavras do próprio prefeito, os cobradores “terão que buscar outra atividade”. Atualmente, 3,6 mil trabalhadores exercem a função de cobrador em Porto Alegre.

As negociações do dissídio da categoria, cuja data-base é 1º de fevereiro, estão paradas.

A atual proposta do Sindicato das Empresas de Ônibus de Porto Alegre (Seopa) oferece aos rodoviários a recomposição da inflação dos últimos 12 meses em duas parcelas, metade a ser paga referente a fevereiro e a outro a julho. A categoria diz que a proposta é inaceitável e sequer pode ser levada para análise de uma assembleia.

A categoria exige a reposição da inflação mais ganho real de 3,5%, além de reajuste no vale alimentação.

Reunião

Na tarde de terça-feira (31), representantes dos rodoviários expuseram suas questões ao prefeito. Wenceslau Machado, da direção nacional da Intersindical central da Classe Trabalhadora, esteve presente no Palácio Piratini, e contou que não houve qualquer sinal de boa vontade em negociar.

“As empresas estão exigindo a retirada da universalidade da gratuidade para quem tem entre 60 e 65 anos e uma revisão da isenção da segunda tarifa para quem utiliza o cartão TRI para pegar um segundo ônibus em até 30 minutos, isso é inaceitável”, diz Wenceslau Machado.

Fonte: INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook

*

Top