Rodada de negociação termina sem que a fenaban apresente propostas

Rodada de negociação termina sem que a fenaban apresente propostas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Em rodada de negociação ocorrida em São Paulo nesta quinta-feira, 15, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não apresentou nenhuma proposta para a categoria bancária. Além disso, a reunião chegou ao fim sem que uma nova negociação fosse agendada.

“Agindo dessa forma, a Fenaban se mostra intransigente e desrespeitosa com os trabalhadores e clientes. Prosseguimos mobilizados para garantir conquistas nesta Campanha Salarial”, afirma o diretor do Sindicato dos Bancários/ES e representante dos bancários capixabas e da Intersindical no Comando Nacional.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Não há motivo que justifique a recusa da Fenaban em atender as reivindicações dos trabalhadores e trabalhadoras. Em 2015 os cinco maiores bancos do Brasil lucraram R$ 69,9 bilhões. Mesmo com lucros exorbitantes, os banqueiros insistem em querem lucrar ainda mais às custas da precarização das condições de trabalho dos bancários e do atendimento ao cliente. No ano passado foram cortados quase 10 mil postos de trabalho nos bancos em todo o Brasil. Isso significa sobrecarga de trabalho e, consequentemente, aumento do tempo de espera nas filas do banco em virtude do número insuficiente de bancários para atender a população.

Principais reivindicações dos bancários:
• Reajuste salarial: reposição da inflação (9,57%) mais 5% de aumento real.
• PLR: 3 salários mais R$8.317,90.
• Piso: R$3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).
• Vale alimentação no valor de R$880,00 ao mês (valor do salário mínimo).
• Vale refeição no valor de R$880,00 ao mês.
• 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor de R$880,00 ao mês.
• Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.
• Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.
• Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários.
• Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.
• Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.
• Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transsexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários