Repúdio à demissão de Áureo Cisneiros

Repúdio à demissão de Áureo Cisneiros

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora, através de sua Direção Nacional, manifesta veemente repúdio à decisão do governador de Pernambuco, Paulo Câmara, que, de forma arbitrária, exonerou, no último dia 5 de janeiro, o servidor público, comissário da Polícia Civil, Áureo Cisneiros Luna Filho, ex-presidente e atual diretor de imprensa do SINPOL-PE.

Entendemos que a postura do governador Paulo Câmara, do PSB, é um atentado contra o direito de organização sindical da classe trabalhadora, descabido em qualquer sociedade democrática. Os direitos de representação sindical, de livre manifestação do pensamento, de crítica às instituições do Estado e às próprias autoridades, encontra amparo na Constituição de 1988. O mínimo que podemos exigir é que os governantes atentem para estes preceitos constitucionais. Fazer o contrário, representa uma afronta aos direitos constituídos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Todos os procedimentos administrativos (PADs) a que Áureo Cisneiros foi submetido ao longo de vários anos são relacionados à sua prática sindical de representar os policiais civis de Pernambuco, cobrar o regular exercício da profissão policial civil, reivindicar direitos legítimos da classe trabalhadora, criticar gestores públicos, denunciar desmandos no serviço público, sempre no interesse na população de Pernambuco. Por incrível que possa parecer, tem processo administrativo até por convocar os policiais civis para a Greve Geral de 28 de abril de 2017, aquela que foi a maior Greve Geral das últimas três décadas e teve por objetivo impedir a destruição da previdência pública pretendida por Temer.

Áureo Cisneiros é também dirigente nacional do Movimento Policiais Antifascismo, criado em 2017, que tem por objetivo debater e militar por uma nova política de segurança pública, o que passa também por reconhecer policiais e demais operadores (as) de segurança pública como classe trabalhadora.

Não pode ser tido por progressista ou de esquerda a autoridade, o partido ou o governo que se alia às práticas retrógradas e avaliza a perseguição sistemática e a retaliação casuística contra aqueles e aquelas que lutam pelas transformações institucionais que a sociedade precisa.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora – entende ser absolutamente necessário e urgente que o Governo do Estado de Pernambuco revogue a decisão arbitrária e antissindical que exonerou Áureo Cisneiros, ao mesmo tempo que se coloca inteiramente à disposição do SINPOL-PE para ampliar todas as frentes de luta que sejam necessárias para alcançar este objetivo.

São Paulo, 8 de janeiro de 2021
Intersindical – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Ricardo Monteiro da Silva
Ricardo Monteiro da Silva
6 meses atrás

Representantes de sindicato não podem ser exonerados ou dispensados sem motivo,tem garantia de instabilidade e como servidor público concursado da polícia civil e diretor de classe e fácil conseguir sua reintegração anulando esta decisão pífia do governador.