Reforma Trabalhista: relator legaliza chantagem sobre trabalhador

Reforma Trabalhista: relator legaliza chantagem sobre trabalhador

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Pelo texto substitutivo do projeto de reforma trabalhista (PL 6787/16), apresentado na última quarta-feira (12) pelo relator Rogério Marinho (PSDB-RN), os acordos entre patrões e empregados poderão estabelecer garantias aos trabalhadores inferiores à lei.

“É a legalização da chantagem do patronato sobre o empregado, o negociado abaixo do legislado. Pois a CLT já permite que o que for melhor para o empregado pode vigorar acima da lei”, explica o secretário-geral da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, Edson Carneiro Índio.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O documento apresentado pelo relator da reforma trabalhista mutila quase 100 artigos da CLT e pode ser votado na comissão especial que discute o tema já na próxima semana. A previsão de votação em plenário é no final de abril.

O texto lista 16 temas em que o patrão poderá negociar diretamente com o empregado. Por exemplo, um acordo individual por escrito para a definição da jornada de 12/36 horas e banco de horas, o parcelamento de férias e o  plano de cargos e salários.

A proposta do relator dificulta o acesso do trabalhador à Justiça do trabalho, pois cria uma forma de acordo extrajudicial irrevogável e um termo de quitação anual das obrigações trabalhistas! Ou seja, os empresários podem dar o calote no funcionário o quanto quiser. E o trabalhador não vai conseguir recuperar seus direitos na justiça do trabalho, como acontece em vários casos atualmente.  

O relatório é recheado de maldades contra a classe trabalhadora, em particular as mulheres. Uma das mais absurdas é a que permite que as mulheres grávidas sejam sujeitadas a trabalhar em ambientes insalubres. O texto também garante o contrato de trabalho intermitente, oficializando o bico, pelo qual o trabalhador vai ficar a disposição da empresa, mas vai ganhar apenas pelas horas e dias trabalhados. Ao rasgar mais de cem artigos da CLT, o relator garantiu também o esvaziamento do papel dos sindicatos e da mobilização dos trabalhadores.

Terceirização

O relatório também traz duas alterações à Lei da Terceirização, sancionada em março. A mais importante das medidas é a que amplia o alcance da terceirização em todas as atividades da empresa, conferindo segurança jurídica para a precarização total dos contratos.  “Desde a votação do PL 4302, dia 23 de março, a Intersindical vem alertando a intenção do governo ilegítimo de fazer. Com a medida, milhões de trabalhadores serão precarizados, recebendo salários menores que os atuais e perdendo muitos direitos”, completa Edson Carneiro Índio. Para dourar a pílula e tentar enganar a população, o texto estabelece uma quarentena de 18 meses entre a demissão do funcionário direto e sua “recontratação” como Pessoa Jurídica (PJ, que trabalha sem direito a nada) e pra dizer que se preocupa com os terceirizados, o texto do relator garante que o terceirizado terá direito ao mesmo local pra fazer sua refeição (refeitório) ou o mesmo transporte que o funcionário direto.  

Para a Intersindical, esses dispositivos só reforçam a verdadeira  intenção do governo: trazer segurança jurídica e legalização para a fraude da terceirização, coisa que o PL 4302/98 não garantia para beneficiar as grandes empresas e bancos.

Expectativa de votação da reforma trabalhista

 O presidente da comissão especial que analisa a matéria, deputado Daniel Vilela (PMDB-GO), disse que a votação da proposta poderá acontecer já na semana que vem, caso seja aprovado um requerimento de urgência em Plenário. Assim, os prazos de vistas (duas sessões) e emendas ao substitutivo (cinco sessões) poderiam ser dispensados.

O texto atualmente tramita em caráter conclusivo e, caso aprovado na comissão, segue direto para o Senado Federal.

Não deve haver votação pelo Plenário da Câmara também na semana que vem.

Segundo o deputado,  se for votada a urgência, a primeira reunião deliberativa sobre o relatório deve ser na próxima terça-feira e o texto já poderia ser votado na comissão neste mesmo dia ou na quarta-feira (19). Sem a urgência, a comissão deve esperar o prazo de cinco sessões para se reunir, o que deve acontecer em, pelo menos, duas semanas.

A Intersindical conclama os trabalhadores a intensificar suas ações de mobilização na preparação da greve geral e na pressão, sem tréguas, aos deputados e senadores. É preciso registrar que esse governo e a maioria do congresso não têm autoridade nem a menor condição para votar projetos que acabam com direitos da classe trabalhadora.  

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários