“Reforma trabalhista é um fracasso rotundo”, diz MPT

“Reforma trabalhista é um fracasso rotundo”, diz MPT

“Reforma trabalhista é um fracasso rotundo”, diz MPT | INTERSINDICAL

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Audiência pública no Senado discutiu os efeitos da nova CLT após um ano de vigência

Em audiência pública realizada nesta terça-feira (6) no Senado Federal, o Ministério Público do Trabalho (MPT) defendeu que a reforma trabalhista (Lei 13.467/2017) se limitou a retirar direitos dos trabalhadores e desestruturar o sistema sindical. A sessão presidida pelo senador Paulo Paim (PT-RS) discutiu os efeitos da nova legislação um ano após sua vigência e ocorreu na Subcomissão do Estatuto do Trabalho, da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa.

Na ocasião, o coordenador nacional de Combate às Fraudes na Relação de Trabalho (Conafret) do MPT, procurador regional Paulo Joarês Vieira, destacou que a reforma trabalhista é um fracasso rotundo por não entregar o que foi prometido pelos apoiadores da proposta.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Um dos pontos ressaltados pelo procurador foi o argumento de que a queda no número de ações protocoladas na Justiça do Trabalho seria fruto da segurança jurídica proporcionada pelas novas regras. Segundo o procurador, esse argumento é falacioso tendo em vista que a redução decorre exclusivamente das limitações impostas pela reforma trabalhista para o acesso à Justiça, especialmente por parte dos trabalhadores mais pobres. “A reforma apenas reduziu o risco oferecido ao empregador que descumprir a lei. Ele está mais seguro de que se ele descumprir a lei intencionalmente ou não, é menor o risco que ele venha a responder na Justiça pela irregularidade cometida. Isso beneficia os maus empregadores. Então esse argumento é falacioso”, destacou.

O coordenador nacional da Conafret ressaltou ainda que a reforma trabalhista não promoveu a geração de empregos nem reduziu a informalidade como foi prometido. O procurador apontou que, em um ano, o Brasil perdeu 327 mil vagas com carteira assinada. No mesmo período, o setor privado teve um aumento de 5,5% de empregos sem carteira, ou seja, 601 mil empregados a mais sem registro. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Vieira também alertou sobre a “pejotização”, prática que consiste na contratação de trabalhador como pessoa jurídica e não por meio de contratos trabalhistas regulares, a exclusão de trabalhadores vinculados a aplicativos do sistema de proteção social e o tratamento desequilibrado nas relações de trabalho promovido pela prevalência da negociação coletiva sobre a lei. “Neste um ano de reforma, a gente verifica que a nova legislação não alcançou os resultados que justificaram sua aprovação segundo seus defensores, não promoveu o crescimento econômico ou a geração de emprego e se limitou a retirar direitos dos trabalhadores e desestruturar o movimento sindical”, enfatizou o procurador.

Além das críticas apontadas pelo representante do MPT, a pesquisadora Marilane Teixeira, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), apontou a rotatividade de trabalhadores resultante do contrato intermitente. Entre abril e setembro de 2018, 29.986 pessoas foram contratadas para o trabalho intermitente e, dessas, 8.801 foram dispensadas. “Essa forma de contratação não traz absolutamente nenhuma segurança, não tem nenhuma proteção e também tem dispensa. Corresponde a 5% do saldo de empregos gerados neste período”, disse.

O presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Guilherme Feliciano, destacou que a nova legislação trabalhista é alvo de 25 ações de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF). “[São ações] sobre as contribuições sindicais, trabalho insalubre de gestantes e lactantes, trabalho intermitente. Tudo isso está lá por decidir”.

Fonte: MPT / Foto: Roque de Sá/Agência Senado


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários