Centrais sindicais são impedidas de entrar em reunião da CCJ que vota a reforma trabalhista

Centrais sindicais são impedidas de entrar em reunião da CCJ que vota a reforma trabalhista

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Urgente: pressione os senadores que votarão a reforma trabalhista na CCJ 
 Baixe o jornal da GREVE GERAL do dia 30/06


A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado iniciou na manhã desta quarta-feira (28) a sessão para votar o parecer do senador Romero Jucá (PMDB-RR) sobre a reforma trabalhista. Representantes da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e demais centrais sindicais foram impedidos de entrar.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) criticou a decisão da comissão de barrar o ingresso de representantes sindicais no plenário da CCJ. Segundo ela, apenas “representantes do patronato” foram autorizados a participar da comissão.

A declaração de Gleisi irritou o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES). “Apontem quem são os representantes dos patrões e os lobistas do empresariado. Não estou vendo nenhum”, disse.

Após o atrito entre os senadores, o presidente da comissão Edison Lobão (PMDB-MA) – que é o sexto senador mais rico no ranking do Congresso em Foco –  tomou a palavra e deu prosseguimento à sessão, o que acabou amenizando o desentendimento.

A votação do desmonte da CLT é um teste para a base do governo Michel Temer. É a primeira vez que uma proposta importante de interesse do presidente será analisada desde que ele foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República.

A CCJ é a terceira comissão no Senado pela qual passa o texto da reforma. Na Comissão de Assuntos Econômicos o parecer, favorável ao texto da Câmara, foi aprovado. Na Comissão de Assuntos Sociais, no entanto, o texto foi rejeitado, o que representou uma derrota para o governo.

Independentemente do resultado nas comissões, a análise final da reforma trabalhista será feita no plenário do Senador, que vai decidir se envia ou não o texto para sanção do presidente Michel Temer.

Emendas

Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical, está em Brasília e lembra que as emendas propostas pela oposição estão sendo descartadas.

Na primeira etapa da sessão da CCJ, Jucá afirmou que era contrário a todas as emendas (sugestões de alteração) ao seu relatório. Mais de 200 foram apresentadas.

Depois dessa etapa, iniciou-se a leitura dos chamados votos em separados, que são versões alternativas de relatório propostas por senadores contrários ao parecer de Jucá. São seis votos em separado. A previsão inicial é de que essa parte vá até as 16h de hoje.

Em seguida, será feita a discussão do relatório de Jucá. Deverá ser apresentado um requerimento de encerramento de discussão após a fala de quatro senadores. Então, será realizada a votação.

Na abertura dos trabalhos da CCJ, senadores da oposição pediram para que a análise do parecer fosse adiada.

Eles argumentam que o agravamento da crise política, com a denúncia apresentada contra Temer, inviabilizam a análise da reforma neste momento.

Os oposicionistas também criticam o fato de o Senado, em atendimento ao desejo de governistas, não alterar o projeto. Isso evita um retorno da proposta à Câmara e acelera o processo para as novas regras virarem lei.

Senadores favoráveis à reforma, por outro lado, dizem que há um acordo com Temer para modificar pontos controversos do projeto por meio de vetos e medida provisória.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários