Reforma trabalhista avança no Senado e corre o risco de ser tratorada

Reforma trabalhista avança no Senado e corre o risco de ser tratorada

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Quem é o empresário milionário que fez a reforma trabalhista passar irretocada em comissão do Senado
→ Centrais Sindicais convocam nova GREVE GERAL para dia 30 de junho


Com 14 votos contra a classe trabalhadora, e 11 pela não aprovação,  os governistas que compõem a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovaram, no final da tarde de terça-feira (6), o relatório da Reforma Trabalhista do relator Ricardo Ferraço (PSDB/ES), que não fez nenhuma alteração no texto aprovado às pressas na Câmara dos Deputados.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A sessão teve início às 10h e prosseguiu sem paradas. A bancada de oposição fez o que podia. Os senadores Paulo Paim (PT-RS), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Lídice da Mata (PSB-BA) apresentaram votos em separado mas foram vencidos. Ferraço argumentou que se fizesse qualquer alteração o texto teria que voltar à Câmara dos Deputados.

Pouco antes da votação, a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) criticou o fato de Ferraço ter escolhido não alterar o conteúdo de uma proposta tão série e que afeta toda a relação econômica e social do trabalho no Brasil.

“É uma pena que o senador tenha escolhido ser um carimbador da maior agenda da retirada de direitos da história de luta dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. […]  O senador Ferraço tapou os ouvidos em relação aos anseios da sociedade civil.”, disse Fátima, destacando que Ferraço “ouviu só os empresários” ao relatar a matéria.

“O projeto é muito perverso!”, emendou Paim, sugerindo a suspensão da votação da reforma e, dirigindo-se a Ferraço, endossando a fala de Fátima Bezerra.

A reforma trabalhista ainda terá que passar por outras duas comissões antes de chegar ao Plenário do Senado: Assuntos Sociais (CAS) e Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Ocorre que uma manobra regimental pode ocorrer nesse meio tempo: agora que já foi aprovada na CAE, se algum senador pedir urgência no projeto, a reforma trabalhista pode  seguir direto para ser votada pelo plenário do Senado. Aí está o maior risco para a classe trabalhadora.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários