fbpx

Reforma trabalhista avança no Senado e corre o risco de ser tratorada

Saiba mais:
→ Quem é o empresário milionário que fez a reforma trabalhista passar irretocada em comissão do Senado
→ Centrais Sindicais convocam nova GREVE GERAL para dia 30 de junho


Com 14 votos contra a classe trabalhadora, e 11 pela não aprovação,  os governistas que compõem a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovaram, no final da tarde de terça-feira (6), o relatório da Reforma Trabalhista do relator Ricardo Ferraço (PSDB/ES), que não fez nenhuma alteração no texto aprovado às pressas na Câmara dos Deputados.

A sessão teve início às 10h e prosseguiu sem paradas. A bancada de oposição fez o que podia. Os senadores Paulo Paim (PT-RS), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Lídice da Mata (PSB-BA) apresentaram votos em separado mas foram vencidos. Ferraço argumentou que se fizesse qualquer alteração o texto teria que voltar à Câmara dos Deputados.

Pouco antes da votação, a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) criticou o fato de Ferraço ter escolhido não alterar o conteúdo de uma proposta tão série e que afeta toda a relação econômica e social do trabalho no Brasil.

“É uma pena que o senador tenha escolhido ser um carimbador da maior agenda da retirada de direitos da história de luta dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. […]  O senador Ferraço tapou os ouvidos em relação aos anseios da sociedade civil.”, disse Fátima, destacando que Ferraço “ouviu só os empresários” ao relatar a matéria.

“O projeto é muito perverso!”, emendou Paim, sugerindo a suspensão da votação da reforma e, dirigindo-se a Ferraço, endossando a fala de Fátima Bezerra.

A reforma trabalhista ainda terá que passar por outras duas comissões antes de chegar ao Plenário do Senado: Assuntos Sociais (CAS) e Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). Ocorre que uma manobra regimental pode ocorrer nesse meio tempo: agora que já foi aprovada na CAE, se algum senador pedir urgência no projeto, a reforma trabalhista pode  seguir direto para ser votada pelo plenário do Senado. Aí está o maior risco para a classe trabalhadora.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top