Proposta da Fenaban de 5,5% é rejeitada pelos bancários

Proposta da Fenaban de 5,5% é rejeitada pelos bancários

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Assembleia dia 1º para deflagrar greve dos bancários, a partir de 6/10. O reajuste de 5,5% é bem abaixo da inflação de 9,88% registrada no período pelo INPC. Embora os banqueiros falem em crise, obtiveram o magnífico lucro de R$ 36,1 bilhões, no 1º semestre deste ano. Esse resultado, alcançado BB, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander é 27,4% maior que o mesmo período de 2014

Depois de seis rodadas de negociação, nesta sexta (25/10), a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) fala em crise e oferece 5,5% de reajuste aos bancários sobre os salários, a PLR e demais verbas de caráter salarial, mais abono de R$ 2,5 mil. Foi rejeitada na mesa de negociação, pelo Comando Nacional dos Bancários. A categoria reivindica 16% de aumento salarial. “Este índice não repõe nem a inflação de 9,88% medida pelo INPC”, diz Ricardo Saraiva Big, Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Assembleias

Portanto, os bancários da Baixada Santista farão duas assembleias, a primeira para deflagrar greve, dia 01/10 (quinta-feira), às 20h, na Av. Washington Luiz, 140, sede do Sindicato dos Bancários de Santos e Região. A segunda para organizar a greve, dia 05/10, também no Sindicato, às 19h. Os banqueiros rejeitaram todas as reivindicações sobre emprego, saúde, segurança, condições de trabalho e igualdade de oportunidades.

Bancos lucram com crise ou sem crise

“As instituições bancárias ganham com crise ou sem crise econômica, seja internacional ou nacional, para os bancos é rotina. Mas são os funcionários responsáveis por todo esse resultado e por isso exigimos 16% de reposição da inflação mais 5,7% de perdas salariais”, afirma Big.

“Em todas as campanhas os bancos vêm com a mesma conversa de crise. Conforme os lucros, não há crise para os banqueiros. A crise afeta sim os trabalhadores bancários sobrecarregados, cansados e assediados por metas e demissões. Exigimos a nossa parte destes lucros bilionários e melhores condições de trabalho e o fim das demissões, além de mais contratações. Para isso, precisamos da mobilização da categoria”, afirma Eneida Koury, Secretária Geral do Sindicato.

Principais reivindicações da Campanha Salarial 2015

-Remuneração

Reajuste salarial de 16% (incluindo reposição da inflação mais 5,7% de perdas salariais); PLR: Três salários mais R$7.246,82 ; Piso do Dieese: R$3.299,66 (junho/2015); Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$788,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional) e melhores condições de trabalho com o fim das metas e o assédio moral.

-Emprego

Fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate as terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas; plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários; auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Santos e região

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários