Projeto que altera definição de trabalho escravo perde urgência

Projeto que altera definição de trabalho escravo perde urgência

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Após audiência pública, entidades ligadas aos direitos humanos conseguem fazer com que PLS retorne a comissão debater o tema mais amplamente

São Paulo – O Projeto de Lei do Senado (PLS) 432/2013, que altera a definição de trabalho escravo e é considerado um retrocesso por entidades de direitos humanos, deixou de ter tramitação em regime de urgência e deverá retornar à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para ser debatido de forma mais aprofundada. A decisão ocorreu hoje (15), durante audiência pública na Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Casa. O projeto já estava no plenário.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Depois da audiência, um grupo reuniu-se com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e com o relator do projeto em comissão mista, Romero Jucá (PMDB-RR), para discutir o assunto. “Conseguimos reverter os encaminhamentos recentes do PLS 432/2013, que teria impacto grande nas atividades de combate a essa prática pavorosa que ainda assombra nosso país e estava com urgência no plenário”, comemorou, em rede social, o secretário de Direitos Humanos do Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, Rogério Sottili. Para ele, a mudança permitirá que o projeto seja “plenamente debatido com a sociedade”.

Participaram da audiência o ator Wagner Moura, “embaixador” da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o jornalista Leonardo Sakamoto, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão, e entidades como o Ministério Público do Trabalho – contrária ao relatório de Jucá – e Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).

“Sorrateiramente estão retirando as definições de trabalho escravo neste projeto de lei”, afirmou Wagner Moura. “As Nações Unidas reconhecem a definição (de escravidão) brasileira, como a consideram um exemplo global a ser reproduzido”, argumentou Sakamoto. “O projeto que regulamenta o trabalho escravo que querem votar é uma agressão ao mundo do trabalho, uma violência aos homens e mulheres deste país que não admitem que nosso Brasil ainda seja dirigido por uma lei que vai regulamentar o trabalho escravo. Ele deve ser proibido, não regulamentado”, afirmou o senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da CDH.

Fonte: Rede Brasil Atual

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários