Professores de Cubatão paralisam atividades por dois dias

Professores de Cubatão paralisam atividades por dois dias

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Trabalhadores paralisam nesta quarta e quinta-feira; categoria reclama da perda de direitos

Professores da rede municipal de Educação de Cubatão não darão aulas durante dois dias. Eles decidiram na noite desta terça-feira (27), em assembleia no sindicato da categoria, manter o estado de greve desencadeado no início do ano e fazer a paralisação nesta quarta-feira (28) e na quinta (1º de março).

Nilza Bretas de Carvalho Landim, presidente do sindicato, disse que a entidade vai notificar a Prefeitura da greve, por conta do não cumprimento da promessa do secretário de Educação, Pedro de Sá Filho e do prefeito Ademário Oliveira (PSDB) de reverem os decretos que retiram dos professores direitos concedidos legalmente na gestão municipal anterior.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O movimento deverá alcançar 1.200 docentes e afetará cerca de 15 mil alunos. O secretário municipal de Educação, Pedro de Sá Filho, disse ontem que a Prefeitura não cederá à pressão. “A greve que está sendo proposta é baseada na alegação de que os professores querem a reedição de decretos (da Administração anterior) alterados em dezembro (de 2017). Porém, estes decretos não serão reeditados porque o assunto foi judicializado pelo sindicato dos professores”.

Em janeiro, a categoria ingressou em janeiro com ações. A Prefeitura se vale disso para dizer que, legalmente, tem que aguardar o resultado dessas ações, o que poderá levar meses. O secretário alega que essas ações judiciais impedem “que haja qualquer revisão dos decretos”. Assim, “a Prefeitura aguardará a solução judicial quanto a essas questões”, acrescenta.

Cortes

Os ânimos entre os professores e a atual Administração Municipal, que estão acirrados por conta desses decretos desde janeiro, se agravaram na segunda-feira. Ao receber os holerites do mês vencido, os professores constataram que a Prefeitura reduziu os salários da categoria entre 30 e 50% desconsiderando a carga suplementar e a ampliação de jornada de trabalho que, costumeiramente, compõe a remuneração. Eles receberam apenas os valores básicos de salários fixados nas contratações por concurso.

A presidente do Sindicato dos Professores de Cubatão diz que, por legislação federal, os docentes têm direito de receber um terço a mais do salário, pela carga suplementar de ampliação da jornada. A falta do pagamento será questionada judicialmente, segundo ela.

Questionada por A Tribuna, a Secretaria Municipal de Educação disse, por meio de nota, que durante o mês de janeiro, de férias escolares, nenhum professor tem aula eventual, carga suplementar ou ampliação de jornada. “Portanto, não há como a Prefeitura pagá-las. Seria o mesmo que alguém pagar hora extra a um funcionário que está de férias e portanto não exerce estas atividades”.

O secretário municipal de Educação diz que “a legislação (municipal) existente é imperfeita e leva a interpretações errôneas, até ilegais. Mesmo não tendo aulas excedentes e outras atribuições, os professores eram pagos como se estivessem realizando essas atividades, o que precisava ser corrigido. Por isso, esses valores extras não foram pagos neste mês, junto com os salários referentes a janeiro”.

Pedro de Sá Filho acrescenta que, “por tudo isso é que se torna necessário rever a legislação, para criar parâmetros que permitam equilíbrio nos pagamentos e que os professores – profissionais tão importantes para o funcionamento do sistema educacional – recebam salários dignos e possam melhor se planejar, sem toda essa variação de um mês para o outro”

 

Fonte: A Tribuna de Santos


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários