Privatização da Celg e o desmonte do Estado

Privatização da Celg e o desmonte do Estado

Privatização da Celg e o desmonte do Estado: saiba o que está em jogo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Privatização da CELG

Em 15 de fevereiro de 2018 completou-se um ano da incorporação (efetivação da venda, privatização) da CELG (Centrais Elétricas de Goiás) pela multinacional Enel (maior companhia de energia elétrica da Itália, quinta maior companhia de energia do mundo e o estado italiano é o maior acionista da empresa com 21,10%).

A privatização da Celg revelou verdades doídas ao unir Dilma/PT e Marconi/PSDB, confirmando prognósticos de desnacionalização, carestia e precarização do setor energético brasileiro.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

À privatização da Celg D (acordo Dilma-Marconi em agosto de 2014), seguiu-se o estelionato eleitoral de 2014, culminando com o Governo “Golpista” de Michel Temer, que quer privatizar a Eletrobras – que vale R$500 bilhões (estimativas mais modestas) por possíveis R$20 bilhões com a venda de ações.

É mais um duro golpe na infraestrutura nacional, renunciando ao controle público do processo de geração, transmissão e distribuição de energia, comprometendo ainda mais a soberania e da autodeterminação do povo brasileiro.

Em outras palavras, o golpe contra a classe trabalhadora culminou no “golpe institucional” (as aspas decorrem das alianças entre “golpistas e golpeados” que corroem a teoria do golpe).

Em 2014 a presidente Dilma/PT, cedendo a política antipopular e antinacional de privatizações – política essa rejeitada nas eleições e contrária ao seu próprio programa eleitoral, daí a expressão “estelionato eleitoral” – realiza um acordo com o Governador do Estado de Goiás, Marconi/PSDB.

Essa verdade doída demonstra que o governo de conciliação com o capital financeiro não tem o princípio de manter estatal o patrimônio público, vende-se qualquer coisa para manter-se no poder: a educação foi privatizada com o FIES; a Petrobras tinha 85 mil empregados próprios e 250 mil terceirizados, uma privatização disfarçada, completada agora com a entrega total de nosso petróleo pelo governo temeroso.

A receita de privatização e desnacionalização propagandeada pelo Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional vale apenas para as nações dependentes da periferia do capital, pois na  contramão deste receituário de regressão social, países como Alemanha e Inglaterra que estão reestatizando seus setores de água e energia, cabendo destacar a Noruega que nunca privatizou seu petróleo, banco, telecomunicações, ou ainda os Estados Unidos com sua estatização estratégica (estatização tradicional de usinas hidrelétricas ou heterodoxas como a indústria bélica, etc.).

Privatizar o setor elétrico é também entregar o controle de nossos rios e águas ao capital predatório das transnacionais, que garantem contratos em que os lucros valem mais do que a vida, basta observar a Sabesp que distribui lucros e dividendos mas não distribui água, ou a Vale/BHP Billiton que distribui lama e mata todo um rio.

Militares entreguistas

A intervenção militar contra os pobres do Rio de Janeiro é apenas distração de um circo macabro, mas cabe questionarmos: o que pensam os saudosistas dos militares sobre a perda da soberania nacional com a privatização do setor elétrico?

Nenhum setor militar teve a coragem de se posicionar contra a entrega de nossas estatais para o capital estrangeiro, seja do setor elétrico, petróleo ou até mesmo as comunicações das forças armadas (nas mãos de americanos), mas aplaudem um milico (não um militar) brasileiro que presta continência à bandeira americana.

A propaganda da ineficiência estatal, do déficit ou do estado mínimo já foram desmentidas em todos os fóruns sérios e honestos, porém a mídia da classe dominante esconde a verdade sobre a “indenização” paga pelo Petrobrás aos acionistas estadunidenses, em um acordo (negociata golpista) de mais de R$10 bilhões (metade do valor pretendido com a entrega da Eletrobras).

A falácia da “estabilidade” da dívida pública é apontada como a causa primeira das privatizações, da destruição da previdência social, da reforma trabalhista e da medida de congelamento por 20 anos dos investimentos sociais (Emenda Constitucional 95).

O sistema da dívida representa o maior esquema oficial de fraude das finanças públicas, fonte de inúmeras irregularidades das administrações públicas – da corrupção ao desmonte do patrimônio nacional e dos serviços públicos.

A simples leitura da Constituição Federal no seu artigo 26 do ADCT (Disposições Transitórias) texto promulgado em 5/10/1988 Art. 26. No prazo de um ano a contar da promulgação da Constituição, o Congresso Nacional promoverá, através de Comissão mista, exame analítico e pericial dos atos e fatos geradores do endividamento externo brasileiro.

A não realização da auditoria da dívida pública já a torna fraudulenta, e o anatocismo a tornou hedionda. A falsa dívida pública brasileira entrou na “fase da prostituição”, já entregamos nosso patrimônio, agora querem nossos corpos, de nossas crianças, velhos e mulheres, da atual geração e das futuras.

Nesta quadra da história da luta de classes no Brasil, reafirmamos que é tarefa fundamental dos lutadores e lutadoras das classes trabalhadoras o estudo da economia política e a formação de base (nossas prioridades e tarefas diárias) para uma luta contra o capitalismo, bem como para mobilizarmos amplos setores da sociedade não organizada.

É preciso resistir

Diante da ofensiva do capital contra o patrimônio e os trabalhadores brasileiros, apenas a resistência do povo organizado é capaz de derrotar o recrudescimento da política neoliberal e do próprio capitalismo. A subordinação e dependência da classe trabalhadora só será alcançada através da derrota do poder dominante hegemonizado pelo imperialismo, monopólios e latifúndio.

O Golpista Michel Temer piscou, não conseguiu os votos de deputados federais para a aprovação da contrarreforma da previdência e inventou a intervenção militar no Rio de Janeiro para disfarçar, é uma demonstração de fraqueza, jogou o exército contra os pobres.

Para avançarmos no enfrentamento das políticas regressivas e abarcar amplos setores sociais é fundamental colocarmos na ordem do dia a necessidade de um referendo revogatório das medidas antipopulares dos últimos anos (desde 1995 aos nossos dias), inclusive a privatização da CELG é avançar na luta pela construção de uma sociedade socialista.

Por um referendo revogatório das medidas desse governo ilegítimo;

Reestatização das empresas privatizadas;

Imediata estatização dos bancos, verdadeiros mandantes das quadrilhas de Brasília;

Cumprimento da Constituição com auditoria cidadã da dívida pública;

Fim da terceirização e encampação de todas as empreiteiras de empresas públicas;

Defesa do SUS 100% Público e Estatal – chega de enganação com os planos de saúde;

Educação Direito de todos e Dever do Estado – Recursos públicos para escolas públicas.

STIUEG
(Sindicato dos Trabalhadores Urbanitários do Estado de Goiás)

Privatização da Celg e o desmonte do Estado: saiba o que está em jogo
Privatização da CELG: REESTATIZAÇÃO JÁ!

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários