Primavera secundarista floresce nas ruas de Vitória

Primavera secundarista floresce nas ruas de Vitória

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Estudantes de pelo menos 18 campi dos Institutos Federais do Espírito Santo e de 10 escolas da Rede Estadual na Grande Vitória estiveram presentes, em ato público que teve início na Pracinha de Jucutuquara, por volta das 14 horas, e saiu em Marcha em direção ao Palácio Anchieta, no Centro de Vitória. A atividade fez parte de uma programação nacional de mobilização.

A aula desta segunda-feira (24) foi na rua, e foi lecionada por milhares de estudantes do Espírito Santo que ocuparam as avenidas da capital contra a PEC 241 e contra a Reforma do Ensino Médio propostas pelo golpista Temer. Foi uma aula de democracia, de esperança contra tantas medidas que buscam retirar direitos sociais e solapar os avanços conquistados pelo povo na Constituição de 88.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Nós, secundaristas, entendemos que não deve haver um limite para investimento em educação, pelo contrário, esses investimentos devem aumentar. A economia do país vai mudando, e os investimentos precisam acompanhar esse processo. Não vamos aceitar retrocessos na educação, que tem que ser universal, gratuita e de qualidade. A gente vai lutar, ocupar e resistir”, disse Virgínia Monteiro, representante da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), sobre a mobilização.

Estudantes de pelo menos 18 campi dos Institutos Federais do Espírito Santo e de 10 escolas da Rede Estadual na Grande Vitória estiveram presentes, em ato público que teve início na Pracinha de Jucutuquara, por volta das 14 horas, e saiu em Marcha em direção ao Palácio Anchieta, no Centro de Vitória. A atividade fez parte de uma programação nacional de mobilização.

Além da PEC 241, que congela por 20 anos os investimentos públicos para as políticas de saúde, educação e assistência social, os estudantes protestaram contra a contra a MP 746, que propõe reforma o ensino Médio.

“Como estudantes e como cidadãos, a gente sente a necessidade de estar na rua, dizendo não a essa PEC e à reforma do ensino médio. O projeto de contrareforma passa por cima do Plano Nacional de Educação (PNE), construído junto com os professores e alunos que estão dentro da escola. Quando ocorre uma reformulação do ensino, ela tem que acrescentar na vida do aluno, e não tirar, como acontece com essa medida, que exclui disciplinas essenciais para a nossa formação”, disse Brenda Lau, presidente do grêmio do Colégio Estadual.

Ocupação

Durante o ato, os estudantes do Colégio Estadual decidiram ocupar o prédio da escola, ampliando o número de ocupações escolares em todo o país. O Estadual é a quarta escola ocupada na Grande Vitória, se somando à Escola Estadual Professor Agenor Roris, em Vila Velha; Escola Estadual Almirante Barroso, em Vitória; Escola Estadual Professora Maria Penedo (Polivalente), em Cariacica. No interior estão ocupados os campi de São Mateus e Cachoeiro de Itapemirim do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes). No Brasil, já são mais de mil ocupações.

A presidente do Grêmio do Colégio Estadual falou sobre a importância das ocupações como instrumento de luta e de resistência dos estudantes às medidas do governo.

“As ocupações são legítimas, são uma forma de protesto. Os alunos continuam tendo aulas de preparação para o Enem, tendo oficinas e outras programações, então a ocupação não atrapalha a nossa formação. A gente só quer dizer para o governo os motivos pelos quais somos contra esses projetos e como eles prejudicam a população, e queremos que eles nos ouçam”, destacou Brenda.

Luta unificada

Hoje, estudantes, professores, bancários e profissionais de outras categorias caminharam juntos contra os ataques aos direitos do povo. “É na luta que a gente constrói a nossa dignidade. Não é à toa que querem fazer a reforma da educação, tirar sociologia e filosofia do currículo. É porque querem nos impedir de pensar, e é pensando que damos conta do nosso destino, da nossa vida. É por isso que temos que fazer essa luta, e o futuro desse país está nessa juventude que ocupa as ruas hoje”, disse o coordenador geral do Sindicato dos Bancários/ES, Jonas Freire.

Antes de seguir para o Palácio Anchieta, onde aconteceu o encerramento do ato, os manifestantes realizaram uma aula pública na Avenida Jerônimo Monteiro, em frente à Praça Oito, para dialogar com a população sobre as consequências da PEC 241.

Na manhã desta segunda, trabalhadores e trabalhadoras realizaram outro ato público contra a PEC 241 e a retirada de direitos, que também fez parte da programação deste dia nacional de lutas. A proposta é preparar a classe trabalhadora para uma greve geral.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Manifestação contra a #PEC32
Manifestação contra a #PEC32
#7SForaBolsonaro
#7SForaBolsonaro
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários