PLS 555/15 é aprovado no Senado com alterações

PLS 555/15 é aprovado no Senado com alterações

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Luta unitária foi fundamental para barrar alguns retrocessos

A sanha privatista da direita, em particular dos senadores do PSDB, impôs votação do PLS 555 no Senado nesta terça-feira, dia 15. A luta unitária dos setores populares, no entanto, logrou barrar alguns aspectos mais nefastos do projeto original.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Após intensa mobilização que durou meses com ações em todo o Brasil, reunindo várias centrais sindicais e demais setores da sociedade, o projeto que previa privatização geral sofreu alterações que excluiu o item de privatização desenfreada e automática de todas as empresas públicas municipais, estaduais e federais.

Os senadores aprovaram o texto final na noite de terça-feira (15), com uma redação aquém do que queriam os autores da matéria.

Apesar disso, a luta seguirá para derrotar o projeto na Câmara dos Deputados.

Para Rita Lima, dirigente do Sindicato dos Bancários do Espírito Santo e representante da Intersindical no Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, a pressão popular foi fundamental.

Avanços em relação ao texto original

  • O ponto mais pernicioso do texto não passou, para alívio do povo brasileiro. Era o que previa as empresas públicas também seriam Sociedades Anônimas (S.A.), ou seja, se equiparariam aos moldes das empresas privadas. O objetivo do projeto era privatizar essas empresas de uma vez só a partir deste projeto de lei, já que as S.A. têm capital misto, enquanto as empresas públicas têm capital exclusivamente público.

Felizmente, após pressão dos movimentos sociais e do governo, o relator da matéria, o tucano Tasso Jereissati (PSDB-CE), teve que rever esse ponto do texto. E aceitou manter a previsão de capital exclusivamente público para empresas públicas.

  • Outra mudança foi a previsão de que as sociedades de economia mista devam emitir somente ações ordinárias e não mais ações preferenciais, como previa o texto original. Os acionistas preferenciais, além de não terem direito a voto, só teriam como objetivo a distribuição de lucros, o que acaba com o caráter social das empresas públicas. Já no caso dos acionistas ordinários há direito a voto, as decisões são democráticas.
  • Outra mudança foi a aprovação de que o Estatuto das Estatais só será obrigatório para as empresas que tenham mais de R$ 90 milhões de receita operacional bruta.

Retrocesso: trabalhadores proibidos de atuar nos Conselhos de Administração das estatais

  • Um ponto que gerou discussão, mas não foi vencido pelos movimentos sociais, foi o que vedou a participação de pessoas com cargo político, mandato eletivo ou cargo em órgão sindical a ocuparem vagas nos conselhos de administração das empresas estatais.

De acordo com o texto, não podem ser indicados para os conselhos de administração ministros, dirigentes de órgãos reguladores, secretários de estado e município, titulares de mandatos no Poder Legislativo e ocupantes de cargos superiores na administração pública que não sejam servidores concursados. A proibição se estende ainda a dirigentes de partidos políticos e sindicalistas.

Um claro objetivo do senado tucano Tasso Jereissati foi criminalizar a atividade sindical.

O movimento conseguiu apoio de alguns senadores, como Lindbergh Farias (PT-RJ), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Humberto Costa (PT-PE) que defenderam a supressão dessas proibições no texto, que acabou não sendo aprovada. O argumento era que a discriminação não é válida e que os artigos traziam inconstitucionalidades. A proibição mais criticada foi a participação de dirigentes sindicais no conselho.

Outro ponto vencido foi o que fixou prazo de dez anos para que as sociedades de economia mista listadas na bolsa tenham pelo menos 25% de suas ações em circulação no mercado.

O texto prevê que os conselhos de administração terão de sete a 11 membros, com mandatos de até dois anos, permitidas três reconduções sucessivas. O prazo de gestão dos diretores será o mesmo dos integrantes do conselho, também com o limite de três reconduções. Outro ponto vencido é o que prevê pelo menos 25% dos conselheiros independentes no conselho de administração. Isso significa que eles não podem ter tido vínculo com a estatal seja como empregados, fornecedores ou prestadores de serviço.

Licitações e contratos

A proposta traz, ainda, dispositivos sobre licitações, contratos e fiscalização pelo Estado e sociedade. Na nova modalidade, a estatal elabora o projeto básico antes da licitação. Os valores previstos para a dispensa de licitação são de R$ 100 mil para obras e serviços de engenharia e de R$ 50 mil para outros serviços e compras e para alienações. Esses limites poderão ser alterados por deliberação do conselho de administração, podendo haver valores diferentes para cada estatal.

A quem se aplica

As normas serão aplicadas a toda e qualquer empresa pública e sociedade de economia mista da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. O projeto inclui as estatais que exploram atividade econômica, como o Banco do Brasil; as que prestam serviços públicos, como a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab); e as que exploram atividade econômica sujeita ao regime de monopólio da União, como a Casa da Moeda.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários