Encontro Mundial aprova plataforma unitária de luta contra o imperialismo

Encontro Mundial aprova plataforma unitária de luta contra o imperialismo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A Venezuela sediou na semana passada um dos mais importantes e representativos encontros internacionais já realizados pela esquerda e movimentos sociais. Com representação de partidos e movimentos, o Encontro Mundial contra o imperialismo reuniu mais de 400 delegadas e delegados, de 72 países, de todos os continentes e regiões do mundo. Participaram, também, mais de 800 venezuelanos dos movimentos sociais, do PSUV e demais partidos que apoiam o processo bolivariano de mudanças iniciado pelo comandante Chávez.

O Encontro reuniu diversos setores sociais, como trabalhadores/as, movimentos populares, organizações de mulheres, povos originários, afrodescendentes, juventude, parlamentares, comunicação. Em três dias de intenso trabalho as delegações internacionais e venezuelana realizaram importantes debates sobre a situação de cada setor e buscaram encaminhamentos de luta unitária contra o imperialismo, pela paz, a vida, a soberania e a autodeterminação dos povos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A abertura do evento foi transmitida em rede nacional de TVs e rádios, mobilizando a atenção de toda a população da Venezuela, cuja maioria apoia o governo constitucional de Nicolás Maduro, apesar da guerra e do bloqueio econômico imposto pelo imperialismo que visa estrangular a economia do país. A mesa de abertura foi composta por importantes autoridade de Cuba e da Síria, além do Presidente da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello e do dirigente do PSUV Júlio Chávez. O Secretário Geral da Intersindical, Edson Índio, também fez parte da mesa de abertura e fez uma saudação aos presentes, além de expressar seu apoio ao processo bolivariano.

No segundo dia de debates buscou-se o aprofundamento em diversos temas, com a instalação de diversas mesas, como o papel da OTAN e as agressões imperialistas no século XXI; a crise ambiental climática e a busca pelo desenvolvimento sustentável; o papel da indústria cultural para a dominação capitalista; a busca da inclusão social e contra a concentração de riqueza e poder pela minoria capitalista; os governos progressistas e alternativas ao neoliberalismo; o socialismo bolivariano desenvolvido na Venezuela; ética e humanismo e bases para novas formas de fazer política; a batalha das ideias e a importância da formação política; e uma proposta organizativa e um plano de lutas internacional, com um calendário de ações articuladas em todo o mundo. O Encontro foi encerrado pelo Presidente Constitucional da Venezuela Nicolás Maduro Moro.

Do Brasil, além da Intersindical, participaram também, a CTB e o MST, além de um professor universitário que desenvolve projetos de pesquisa e articulação naquele país. Várias delegações não conseguiram chegar a tempo, ou foram interceptadas o caminho, pois houve diversas manobras do imperialismo para impedir a realização do importante e histórico Encontro Mundial pela vida, a paz e a soberania.

Leia a declaração final:

Declaração Final do Encontro Mundial Contra o Imperialismo

As delegações dos Partidos Políticos e Movimentos Sociais, reunidas na cidade de Caracas, capital da República Bolivariana da Venezuela, por ocasião do “Encontro Mundial Contra o Imperialismo”, após deliberações, chegamos às seguintes conclusões:

O futuro da humanidade está em grave perigo. A paz no planeta se encontra seriamente ameaçada como resultado da política de agressão militar dos Estados Unidos e de seus aliados, assim como da corrida armamentista mortal que apenas informa dividendos às grandes corporações da indústria militar. A guerra é o mecanismo preferido do expansionismo imperial, em especial, dos estadunidenses e isso observamos dramaticamente nos mais recentes conflitos regionais que têm afetado gravemente os povos da Síria, Iêmen, Iraque, Líbia, Afeganistão e toda a região.

Da mesma forma, a espécie humana sofre os estragos ocasionados pela voracidade de um modelo econômico que, em sua implantação suicida, destrói a natureza pela insaciável obsessão de maximizar seus lucros.

Essa é exatamente a lógica do sistema capitalista, que não compromete mais sua operação, mas também.põe em perigo de extinção da humanidade.

O modelo neoliberal que implementa a globalização das grandes corporações sob a dominação dos Estados imperialistas, imprimiu à economia mundial uma grande fragilidade.

As crises são mais recorrentes e os grandes especuladores financeiros dominam o planeta. Na distribuição da riqueza gerada, um parâmetro de desigualdades, injustiças e exclusões foi imposto, afetando uma crescente parte da população mundial.

Os flagelos da pobreza e a miséria afetam a milhares de pessoas como nunca antes na história da humanidade. Sem dúvida, o desenvolvimento do capitalismo provoca fenômenos insustentáveis, do ponto de vista social, político e ético.

A isto se soma uma crise ética derivada do modo de vida imperante das economias de mercado, onde sepultam as culturas nacionais e os valores humanos, com o propósito de impor a sociedade de consumo. O culto dos antivalores do capitalismo contribuí para fortalecer a crise da condição humana gerada no atual modelo de convivência.

O imperialismo está em crise e isso o torna muito mais agressivo, perigoso e destrutivo. Antes do crepúsculo do mundo unipolar, o imperialismo estadunidense implementa uma estratégia de dominação global.

O compromisso geopolítico da Casa Branca frente a resistência do povo e o surgimento de potências emergentes, tem sido defender sua hegemonia, mediante a uma política neocolonial que visa a apropriação de recursos naturais, em especial os recursos energéticos, controle de mercados e dominar politicamente as nações.

Para preservar a atual ordem mundial injusta, o imperialismo violenta os direito internacional público, tem convertido o mundo em um grande teatro de operações militares, desenvolve medidas coercitivas unilaterais, impõe leis de caráter extraterritoriais, ataca o multilateralismo, viola a soberania das nações e suprime a autodeterminação dos povos.

Em sua arrogante concepção, suas fronteiras chegam até onde se estendem seus interesses expansionistas.

Em consonância com esta política, o imperialismo recorre à intervenção militar, à desestabilização política dos governos, às guerras e ao bloqueio econômico. Seu planejamento estratégico concebe a OTAN como o braço militar global do neoliberalismo.

Além disso, no âmbito de sua Doutrina de Guerra Não Convencional, ações terroristas, o uso de paramilitares, a judicialização de lideranças anti-imperialistas e o assassinato seletivo são algumas das ações mais emblemáticas de uma política genocida, que coloca em perigo a humanidade.

Tais práticas foram “legitimadas” pela indústria cultural do capitalismo, pelas grandes transnacionais de comunicação e pelo uso das redes sociais.

Da mesma forma, o uso de “Big Data” têm se constituído em uma formidável arma para modificar o comportamento da população e influenciar em suas decisões políticas.

Na tentativa de impor o “pensamento único”, os poderosos do mundo manipulam as crenças religiosas, justificando as atuais relações de poder em detrimento da democracia, a imposição do livre mercado, o racismo da raça eurocêntrica, a segregação das minorias, a opressão de gênero, o caráter eugênico do modelo educativo global, entre muitos outros fatores, que se ajustam perfeitamente aos requerimentos da ditadura do capital.

O capitalismo neoliberal fortalece a exploração da classe trabalhadora, oprime ainda mais as mulheres em termos de de maximizar o lucro das grandes transnacionais, arrebata o futuro da juventude e desfoca a identidade dos povos originários.

Isto evidencia que a solução aos grandes problemas do mundo atual demanda um novo modelo de convivência humana.

Neste contexto, o mundo multicêntrico e pluripolar emerge com maior força. O fortalecimento político e econômico de potências como Rússia e China, junto aos de outras nações, fazem um contrapeso cada vez mais sério ao poder do imperialismo EUA.

Obviamente, a heroica resistência no Oriente Médio, as lutas dos povos da América Latina e do Caribe, têm contido e feito retroceder os planos do imperialismo.

Além disso, as experiências dos governos progressistas no mundo já estão surgindo como uma alternativa ao neoliberalismo. Exemplo disso é a Revolução Bolivariana, que se projeta como um referente anti-imperialista com uma enorme fortaleza popular no marco da poderosa união cívico-militar e com base na ideologia do libertador Simón Bolívar e do Comandante Hugo Chávez.

Isso causou o brutal ataque do imperialismo estadunidense contra o povo venezuelano, que tem dado dignidade e amor pelo país, ratificando seu rumo ao socialismo em numerosos processos eleitorais que que referendam a vigorosa democracia participativa existente neste país.

Os dias difíceis da luta popular têm derrotado as ameaças de intervenção militar dos EUA, tentativas de golpe de Estado e focos de violência terrorista.

Este exemplo de luta junto à Nicarágua e Cuba, assim como os recentes avanços na Argentina e México, têm permitido o fortalecimento de forças anti-imperialistas e levará a reforçar os novos mecanismos de integração regional (CELAC, ALBA-TPC, PETROCARIBE etc.).

Embora em Honduras, Paraguai, Brasil Ecuador, El Salvador e Bolívia tenha se reposicionado o neocolonialismo no âmbito da nova edição da Doutrina Monroe, as lutas populares continuam.

No resto do mundo também os povos resistem, revolta e governos populares exercem sua soberania. A unidade anti-imperialista é um objetivo estratégico que não pode ser adiado.

Neste contexto, o ‘Encontro Mundial Contra o Imperialismo’, declara:

Instamos os povos do mundo a lutar pela vida, a preservação da natureza, e contra condições estruturais que geram as mudanças climáticas. Igualmente, exigimos às nações desenvolvidas a trabalhar decisivamente para evitar a destruição do planeta e, principalmente, os Estados Unidos para superar sua postura primitiva que procura ignorar os terríveis danos causados à natureza com o atual modelo produtivo baseado na acumulação do capital.

Acompanhamos a demanda de construir uma ordem internacional mais justa, que coloque em primeiro lugar os interesses dos povos e permita desenvolver políticas de inclusão e de justiça social para superar as gigantescas desigualdades sociais e econômicas que prevalecem entre as nações do mundo.

Apelamos aos cidadãos do mundo a defender a paz, a soberania dos povos e acompanhar as legítimas lutas pelo progresso socioeconômico, com base em uma ampla plataforma de luta unitária contra o inimigo comum, o imperialismo americano.

Repudiamos a implementação das ilegais medidas coercitivas unilaterais pelas potências imperialistas, uma vez que são políticas criminais que afetam aos povos. Especialmente, condenamos a política genocida de bloqueio econômico que se aplica contra as nações do mundo que exercem sua soberania.

Rejeitamos a militarização de Nossa América e especialmente a presença das bases militares dos Estados Unidos na América Latina e no Caribe.

Condenamos de forma muito energética a invasão militar e demais agressões pelo imperialismo contra os povos do Oriente Médio. Especialmente, repudiamos a violação da soberania da Síria e Iraque, os ataques à República Islâmica do Irã, assim como o vil assassinato do Comandante Qasem Soleimani, mártir dos povos do mundo que lutam pela liberdade.

Exigimos respeito à soberania da Venezuela, Cuba e Nicarágua, além de apoiarmos os esforços de Nicolás Maduro Moros, Presidente Constitucional da República Bolivariana da Venezuela, para manter a paz.

Denunciamos as tentativas orquestradas pela Casa Branca de censurar às empresas multiestatais TeleSur e HispanTV. Isso se constitui em uma afronta à liberdade de expressão dos povos.

Condenamos o golpe de Estado, orquestrado por Washington, contra o presidente Evo Morales Ayma. Repudiamos a cruel repressão e o racismo contra o povo do Estado Plurinacional da Bolívia.

Da mesma forma, o ‘Encontro Mundial Contra o Imperialismo’, concorda:

Construir uma Plataforma Unitária Mundial organizada por continentes, regiões, sub-regiões e países com objetivo de enfrentar o imperialismo. A estrutura organizacional será conformada de acordo com as peculiaridades de cada território.

Realizar durante o ano de 2020 ‘Encontros Continentais Contra o Imperialismo’ para formar as plataformas unitárias continentais, regionais e sub-regionais articuladas em torno de um plano de luta comum contra o imperialismo.

Convocar o ‘II Encontro Mundial Contra o Imperialismo’ a realizar-se em Caracas, capital da República Bolivariana da Venezuela, para definir o nome da Plataforma Unitária Mundial, assim como a articulação das diferentes plataformas continentais e regionais em um plano comum mundial que une as lutas dos povos.

Por último, o ‘Encontro Mundial Contra o Imperialismo’ concorda em endossar a Agenda de Luta adaptada no ‘I Encontro Internacional de Trabalhadores e Trabalhadoras em Solidariedade com a Revolução Bolivariana’, endossado pelo ‘I Congresso Internacional de Mulheres’, pelo ‘Congresso Internacional de Comunas, Movimentos Sociais e Poder Popular’, pelo ‘I Encontro Internacional dos Povos indígenas’, pelo ‘Congresso Internacional de Afrodescendentes’ e o ‘Congresso Internacional de Comunicação’, realizados na República Bolivariana da Venezuela e durante o ano de 2019, agenda que inclui o seguinte:

  1. Realizar uma jornada internacional de mobilização em apoio à Revolução Bolivariana e contra o neoliberalismo em 27 de fevereiro de 2020. (Comemoração dos 31 anos da primeira insurreição em Caracas contra o neoliberalismo)
  2. Convocar uma mobilização mundial pela paz na Venezuela, em Nossa América e contra os planos de guerra do governos dos Estados Unidos para o mês de abril de 2020.
  3. Desenvolver uma jornada internacional de repúdio à Doutrina Monroe, contra o Bloqueio e outras Medidas Coercitivas Unilaterais para o dia 28 de junho de 2020.
  4. Criar até o próximo Encontro uma Comissão Coordenadora das delegações presentes no ‘I Encontro Mundial Contra o Imperialismo’ com objetivo de cumprir o presente plano.

Aprovado na Cidade de Caracas, berço do Libertador Simón Bolívar e Capital da República Bolivariana da Venezuela no 24 do mês de janeiro de 2020.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários