A escandalosa chantagem da PEC Emergencial

A escandalosa chantagem da PEC Emergencial

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A PEC Emergencial ocupa hoje o centro do debate no Congresso Nacional. O governo faz chantagem e coloca a aprovação da PEC como condição para o retorno do Auxílio Emergencial. 

O que é a PEC Emergencial?

A Proposta de Emenda Constitucional – PEC 186/19, também chamada de PEC Emergencial, é parte do chamado “Plano Mais Brasil”, um pacote de medidas elaborado pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, que inclui ainda a PEC dos Fundos Públicos (PEC 187/19) e a PEC do Pacto Federativo (PEC188/19).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O objetivo da PEC 186/19 é criar gatilhos de ajuste fiscal que reduziria as despesas obrigatórias  estabelecidas na Constituição e na lei – como recursos para saúde e educação – dos governos federal, estaduais e municipais. 

PEC pretende aprofundar efeitos do Teto de Gastos e da “Regra de Ouro”

Para entender os efeitos da PEC Emergencial é preciso compreender como funciona o Teto de Gastos (EC 95/16) que congela os gastos da União por 20 anos. A  Lei Orçamentária Anual (LOA), votada no Congresso no início de cada ano, e que estabelece em que os recursos públicos são empregados, depois de 2016 não pode ser mais alterada, mas apenas corrigida pelo índice da inflação. Este Teto foi estabelecido para garantir o pagamento dos juros das dívidas junto aos bancos. 

Já a chamada “Regra de Ouro” (art.167, III, da Constituição Federal) tem como efeito a proibição do governo em requerer empréstimos para pagar despesas correntes, aquelas que são destinadas ao pagamento de salários dos servidores, por exemplo. Muitas destas despesas correntes são obrigatórias. A Regra de Ouro só pode ser quebrada se aprovada no Congresso. 

No âmbito da União, ou seja incluindo os três poderes – se a PEC for aprovada, quando as dívidas do governo superarem as despesas obrigatórias, e a Regra de Ouro for quebrada, não ocorrerá uma aprovação da quebra no Congresso para realizar empréstimos e com isso pagamentos, mas sim o acionamento de gatilhos fiscais. Os gatilhos estabelecidos na PEC são procedimentos automáticos de corte de gastos das despesas obrigatórias, lembrando que são aquelas que financiam a saúde e a educação. 

Se o Teto de Gastos congelou os gastos com as despesas obrigatórias, a PEC Emergencial, se aprovada, irá permitir cortes nestas despesas, o que significa redução de salários do funcionalismo, proibição de concursos e contratações entre outras consequências. 

Os gatilhos da PEC também valem para estados e municípios, no entanto, eles são acionados quanto as despesas correntes superem 95% das receitas correntes. 

E as medidas de corte de despesas obrigatórias são válidas pelo resto do ano, a partir da data de acionamento do gatilho até o fim do ano fiscal e por dois anos depois , que seria o chamado período de emergência

No entanto, está previsto na PEC 186/19 medidas de caráter permanente, como:

  • reavaliação dos benefícios fiscais a cada quatro anos;
  • a partir de 2026, sejam vedadas as criações, ampliações e renovações de incentivos fiscais se o montante de todos os benefícios superar 2% do Produto Interno Bruto (PIB);
  • simplificação do processo legislativo para pedidos de quebra da “Regra de Ouro”, passando ser uma votação de maioria absoluta, mas em um único turno. 

Consequências para os servidores públicos

A PEC prevê a redução das despesas correntes obrigatórias, entre elas o corte de recursos para o pagamento do salário dos servidores da saúde e educação. 

Quando se fala em salário dos servidores, geralmente se pensa na remuneração de juízes e promotores e se esquecem que professoras e enfermeiras dos municípios também são funcionárias públicas. O salário médio dos servidores municipais é de R$ 2.900,00. Quando se trata de servidores federais, 48% deles recebem até R$ 2.500,00. Logo, não se tratam de “parasitas”,como definiu Paulo Guedes, mas de trabalhadores explorados não muito diferente dos trabalhadores do setor privado. 

Saiba os principais efeitos para os servidores públicos.

  1. Institui a redução de salários e de jornada do funcionalismo público vinculado ao Executivo, Legislativo e Judiciário em até 25%.
  2.  Suspende a progressão automática.
  3. Suspende o aumento de salários, vantagens e benefícios, além da reestruturação das carreiras.
  4. Proíbe a contratação de pessoal.
  5. Proíbe pagamentos de despesas de pessoal em caráter retroativo.
  6. Proíbe a realização de concursos e a criação de cargos públicos. 

A PEC agride o artigo 7° da Constituição Federal, que prevê a irredutibilidade do salário dos servidores públicos, artigo que é um direito social, que tem o mesmo valor dos direitos fundamentais e não pode ser modificado por meio de PEC. 

Segundo Ribamar Passos, da direção nacional da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e funcionário dos Correios, “se a PEC for aprovada, significará colocar os serviços públicos à mercê do setor privado. Ela vem no sentido de desestruturar o serviço público, aprofundar a proposta de Reforma Administrativa, aprofundar as consequências da EC 95 – Teto de Gastos, inclusive podemos dizer que é ainda uma Reforma Trabalhista direcionada para os servidores públicos, que escaparam da primeira reforma aprovada no governo Temer”.

A chantagem que procura condicionar o retorno do Auxílio Emergencial à aprovação da PEC Emergencial é mais um dos atos baixos do atual governo, que usa da crise sanitária e da ausência de renda do povo, para impor cortes nos recursos que se destinam a educação e a saúde de todos. 

A quem interessa a PEC Emergencial

O ministro Paulo Guedes possui intenções claras em aprofundar o desmonte do estado em favor do pagamento de dívidas do setor financeiro e especulativo

A PEC 186/19 nada mais é que prejudicar servidores e os serviços essenciais destinados à população para garantir a lucratividade dos grandes bancos, pois a PEC não divide o ajuste fiscal com o setor financeiro, este terão seus pagamentos garantidos. 

Resistência à PEC 186

A PEC, por ser uma proposta em alteração da Constituição precisa se aprovada em dois turnos no Senado e dois turnos na Câmara dos Deputados e contar com a aprovação de no mínimo ⅗ dos votos em cada casa. Atualmente se encontra no Plenário do Senado e a relatoria é do Senador Márcio Bittar (MDB/AC).

A pressão sobre o Congresso Nacional e neste momento em especial sobre o Senado neste momento é fundamental para procurar barrar a PEC Emergencial. 

#AuxílioEmergencial sim,  #PEC186NÃO

Pedro Otoni
Secretário de Comunicação da Intersindical


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube?
ACESSAR CANAL DA INTERSINDICAL

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários