PEC das Diretas vai a plenário no Senado. Só a mobilização popular pode garantir mudança.

PEC das Diretas vai a plenário no Senado. Só a mobilização popular pode garantir mudança.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A PEC das eleições diretas (PEC 67/2016) deu um passo adiante na quarta-feira (31) ao ser aprovada, por unanimidade, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. A proposta prevê diretas já, se o posto de presidente da República ficar vago nos três primeiros anos do mandato, um a mais do que diz a atual legislação. Michel Temer assumiu como vice em 2014. Teoricamente a mudança abra espaço para que a população escolha o substituto de Temer, caso ele venha a cair até o final do ano.

A medida agora segue para o plenário do Senado, onde precisa ser votada em dois turnos e por 3/5, ou seja, 49 dos 81 senadores. Se passar, será remetido à Câmara dos Deputados, onde também terá que passar por aprovação de 3/5 dos deputados, ou seja, com 308 votos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Para passar no Senado, a PEC 67 depende de um acordo entre os líderes partidários e da anuência do presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE). A oposição confia que, apesar de difícil, isso possa acontecer caso haja pressão popular por meio de protestos como o do último domingo, onde artistas levaram milhares de pessoas a protestarem em Copacabana, no Rio de Janeiro.  Ato parecido está programado para São Paulo no próximo dia 4 de junho, domingo, com a presença de cantores como Mano Brown, Otto, Maria Gadú, Criolo e blocos de Carnaval no Largo da Batata.

Questão

Mesmo se aprovada, a medida ainda enfrenta outro empecilho para ser válida para Temer. Como ela prevê eleições indiretas no último ano do mandato, o caso de vacância da presidência e da vice-presidência só valeria caso Temer renunciasse ou saísse por cassação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O julgamento da chapa Dilma-Temer no TSE começa no próximo dia 6 de junho, ainda em 2017. Um processo de impeachment poderia demorar até o ano que vem, caso siga o mesmo processo vivido por Dilma Rousseff, que demorou nove meses.

Paralelamente, tramita na Câmara uma outra PEC, de autoria do deputado Miro Teixeira (Rede), que prevê eleições diretas caso a vacância nos cargos presidenciais ocorra até seis meses antes do fim do mandato. A eleição também seria para um mandato-tampão e a votação ocorreria em até 30 dias após a vacância do cargo.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários