Paralisação da Segurança Pública é mantida até as 18h de sexta-feira (11)

Paralisação da Segurança Pública é mantida até as 18h de sexta-feira (11)

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Em reunião com as entidades da Segurança Pública, nesta segunda-feira (7), foi deliberada a manutenção da paralisação até sexta-feira, às 18h. Participaram da reunião, além da UGEIRM, a AMAPERGS, a ABAMF, a ABERGS, a ASSTBM e o SINDIPERÍCIAS. A UGEIRM se encontra em assembleia permanente, por isso a deliberação de manutenção da paralisação foi tomada em reunião com as entidades da segurança pública.

A avaliação das entidades presentes na reunião é de que o movimento até agora tem alcançado o seu objetivo, que é pressionar o governo e os deputados. A repercussão na mídia e na população tem sido extremamente positiva. Hoje em dia, a situação dos servidores gaúchos é de conhecimento de todo o país. A população gaúcha também tem se solidarizado com os servidores e entendido o verdadeiro absurdo que é receber um salário de R$ 600 no fim do mês. Porém, apesar do governo Sartori se encontrar extremamente pressionado e fragilizado, ainda não apresentou nenhum recuo significativo na sua política de desmonte do serviço público e, em particular, da segurança pública. Por isso a decisão da manutenção da paralisação.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

As entidades entendem que é impossível mantermos um serviço digno para a população com o trágico parcelamento dos salários a que estão submetidos os servidores. Além disso, o entendimento é que a votação do PLC206/15, que retira direitos dos servidores, ameaçando a implementação da Tabela de Subsídios, impedindo a contratação dos concursados e a promoção dos servidores, inviabiliza a Segurança Pública do nosso Estado. As soluções apresentadas até agora pelo governo só penalizam ainda mais a população gaúcha, aumentando impostos e privatizando o serviço público. Por isso, as entidades defendem uma outra saída, com a renegociação da dívida, o fim dos subsídios às grandes empresas e o combate real da sonegação.

Além da manutenção da paralisação, as entidades deliberaram pela manutenção da mobilização, com a realização de vários atos pelo Estado. O vice-presidente da UGEIRM, Fábio Castro, lembra que “é fundamental o apoio a mobilização dos familiares dos brigadianos. As esposas e familiares tem sido um exemplo de luta, com seus bloqueios dos batalhões e sua disposição de luta. Um dos grande ganhos dessa paralisação é a unidade das entidades da segurança Pública, precisamos mantê-la e ampliá-la”.

Nesta terça-feira (08), a partir das 8 horas da manhã, a UGEIRM estará presente, em conjunto com as demais entidades do serviço público, na montagem de um acampamento na Praça da Matriz. O objetivo é acompanhar a tramitação dos projetos que atacam os servidores e pressionar os deputados para a rejeição do PLC206, do PL303 (que ataca a previdência dos servidores) e da PEC 244 (que acaba com a Licença Prêmio). Na quarta-feira (09), será realizada em Pelotas, uma Audiência Pública em apoio aos servidores públicos estaduais, em frente ao 4º Batalhão da BM. Outros atos estão sendo organizados nos municípios.

Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “agora é a hora de aumentarmos a nossa mobilização, fazendo uma paralisação ainda mais forte do que na semana passada. O governo está acuado, mas ainda não cedeu no essencial e continua a sua indefinição para resolver o problema dos salários. Sabemos que existem soluções e não aceitaremos que a incompetência dos governantes recaia sobre as costas dos servidores e da população gaúcha, que necessita de serviços públicos de qualidade”.

Fonte: UGEIRM

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários