Para Justiça do Trabalho, PL 4330 é inconstitucional

Para Justiça do Trabalho, PL 4330 é inconstitucional

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Agência Brasil

Em meio ao calor do debate no Legislativo sobre o Projeto de Lei 4330, que legaliza a terceirização da atividade-fim nas empresas, quadros de outro poder da República, o Judiciário, estão mobilizados contra o texto que vai retirar direitos e enfraquecer a proteção jurídica dos trabalhadores.

Durante audiência pública da Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado, que discutiu o tema na segunda-feira 13, o procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) Helder Amorim enfatizou que, no entender do órgão, o projeto é inconstitucional. “Terceirizar atividade finalística é inconstitucional. Atinge direitos fundamentais como o direito à greve, acordos e convenções coletivas, reduz a remuneração dos trabalhadores e as contribuições para a Previdência.”

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Amorim afirmou ainda que se a proposta passar no Congresso prevendo a terceirização para as atividades-fim, no dia seguinte o MPT entrará com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) arguindo a inconstitucionalidade da norma.

Leis trabalhistas equilibram forças

Na mesma audiência pública, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Barros Levenhagen também levantou a questão da inconstitucionalidade ao evocar o inciso IV do artigo 1º da Constituição Federal, que destaca os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa no mesmo patamar como fundamentos da República.

“Não se pode pensar num Brasil grande, com melhor distribuição de renda, sem a garantia da dignidade do trabalhador, da mesma forma que não se pode pensar no empregado sem valorizar a empresa”, ressaltou.

Levenhagen, disse ainda que a legislação trabalhista busca “equilibrar forças dando superioridade jurídica ao trabalhador frente à superioridade econômica da empresa”. Para ele, o Senado deve procurar encontrar uma solução equilibrada para evitar a precarização. “Não consigo entender que a garantia da produtividade implique subtrair direitos dos trabalhadores.”

Terceirização predatória

O ministro afirmou ainda que enquanto o PL seguir em discussão no Congresso, o TST continuará a aplicar a Súmula 331, sobre contratos de prestação de serviços, que veda terceirização na atividade-fim das empresas. Atualmente essa é a única salvaguarda que os trabalhadores podem contar contra essa prática, que atualmente é considerada fraudulenta pela Justiça trabalhista.

Segundo ele, foi em um contexto de “terceirização predatória” que o TST começou a elaborar uma jurisprudência sobre o tema, editando em 1993 a Súmula 256, substituída dez anos depois pela 331.

Levenhagen defende que o Congresso estabeleça alguns tetos para a terceirização, como a de que apenas 30% dos prestadores de serviços de uma empresa possam ser terceirizados. Outra sugestão é que os vencimentos dos terceirizados não sejam nunca inferiores a pelo menos 80% do salário dos empregados diretos.

Precarização

Na mesma audiência pública, a juíza do Trabalho e representante da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Noêmia Aparecida, disse que a instituição tem dúvidas quanto à adoção da prática até nas atividades-meio das relações de trabalho.

A magistrada afirmou que o avanço da terceirização revela um cenário de “baixos salários, aumento dos acidentes de trabalho e burla ao direito de férias”. Rebateu o argumento de que a adoção da terceirização para as atividades-fim gerará mais empregos.

“Lei não cria emprego, mas pode contribuir muito para a precarização da qualidade do emprego em nosso país”, argumentou.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários