O espírito deste governo é a destruição total do Estado brasileiro, afirma professor de economia da Unicamp

O espírito deste governo é a destruição total do Estado brasileiro, afirma professor de economia da Unicamp

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A reunião da Direção Nacional da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, realizada no sábado (22), em São Paulo, foi aberta com uma análise sobre os desafios e rumos da esquerda para os próximos dias. Segundo as projeções do economista Guilherme Santos Mello, professor do Instituto de Economia da Unicamp e pesquisador do Centro de Estudos de Conjuntura, a política econômica do governo Temer – sustentada apenas nos investimentos privados – não resultará em crescimento econômico nem em validação política para os golpistas. E Bernadete Menezes, secretária de Defesa do Serviço Público da Intersindical, fez uma análise sobre os acertos de posicionamento da Intersindical no atual cenário político.

Confira os principais temas e posicionamentos dos palestrantes:

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Desafios da esquerda

Guilherme Mello – A defesa da ampliação e melhoria dos serviços públicos pode ser o coração da estratégia de resistência aos ataques contra os direitos sociais. Estão encomendando a invalidação da Constituição de 1988 que garante saúde, educação pública… A PEC 241 é o desmonte do estado brasileiro. Hoje o Estado gasta algo em torno de 19% do PIB com despesas primárias. Isso vai cair para 13% do PIB. Hoje gastamos 8,5% na Previdência com a reforma vai subir para 10% nos próximos anos por causa do envelhecimento da população. O espírito deste governo é a destruição total do Estado brasileiro e a incapacidade de produzir bens materiais e públicos, por isso estão acabando com a Petrobras, o BNDES… tirando isso sobra o quê?

Bernadete Menezes – Estamos num momento difícil de conjuntura. Não quer dizer impossível. A maior parte do movimento social está na defensiva. Esse país acumulou organizações, experiência, tradição e história na esquerda. Nós nos apoiávamos tanto nessa construção que achávamos que nunca mais teríamos golpe. Mas a juventude não tem nossas decepções, os jovens estão indignados com o que está acontecendo e têm garra. A Intersindical tem enorme potencial para crescer, respeitamos as diferenças e entendemos que garantir a unidade é uma tarefa histórica.

Balanço do movimento sindical

Guilherme Mello – É importante fazer um balanço dentro do movimento sindical e das esquerdas que contemple a necessidade de se valer de estratégias de diálogo que disseminem seus ideais pelo conjunto da sociedade. Esta tarefa precisa ser enfrentada com mente aberta, sem purismos, pois é impossível para a esquerda avançar em uma sociedade dominada por valores preconceituosos e economicamente liberais dentro de uma nova organização social e do novo mundo do trabalho.

Bernadete Menezes – A Intersindical acertou no seu posicionamento em relação ao golpe, deixamos clara a nossa resistência ao governo Dilma e a visão de que o que houve foi um golpe para implementar uma agenda de retrocessos contra a classe trabalhadora, que vem se confirmando dia após dia, com esses ataques profundos contra a previdência, a CLT, a destruição da Justiça do Trabalho… Também acertamos na formação de uma frente ampla  dentro da esquerda com a Frente Povo Sem Medo. O centro da discussão neste momento é a unidade. Se ficarmos discutindo as maneiras de construir a unidade isso vai se inviabilizar. Temos que nos unir porque a hora agora é de guerra contra a agenda de retrocessos deste governo. Temos que nos juntar para resistir, apesar das diferenças.

Balanço das mudanças econômicas

Guilherme Mello – Estamos completando quase dois anos de neoliberalismo no país, desde que Joaquim Levy assumiu o Ministério da Fazenda. Até então havia uma outra linha no governo. Os resultados não eram maravilhosos e nem desastrosos, tanto é que a Dilma ganhou a eleição. Só que em janeiro de 2015, quando se anunciou o Joaquim Levy, ficou clara uma guinada violenta de orientação e a defesa do ajuste fiscal.

O governo assumiu o discurso dos derrotados na eleição, defendendo ajuste com sofrimento, dizendo que ia resolver e que daqui a pouco íamos retomar o nosso crescimento. O Gonzaga Beluzzo já disse publicamente que foi conversar com o Lula e avisou que aquele ajuste ia dar muito errado. E o Lula respondeu: estou tranquilo porque o Palocci disse que em três meses a gente vai crescer de novo. Isso não aconteceu.

O que a Dilma fez foi a agenda da Fiesp, apresentada pelos empresários, que pedia várias medidas para a retomada do investimento privado. Pediam a redução da taxa de juros, a desoneração de impostos e da folha de salários, reclamavam do custo alto da energia elétrica e que a taxa de câmbio não ajudava. O ano de 2011 foi uma preparação para a agenda da Fiesp porque havia debate no governo de que era preciso fazer um ajuste para possibilitar o Banco Central reduzir a taxa de juros. Vieram desonerações, a redução da taxa de juros e o governo abriu mão de receitas. E a gente sabe qual foi o resultado. Em dois anos a Fiesp já estava pedindo o impeachment. Minha interpretação resumida do que deu errado: o empresário brasileiro não é mais aquele. Não tem projeto de desenvolvimento nacional. O empresário brasileiro virou importador e rentista. Boa parte do capital produtivo vai para o título público. Com a queda da taxa de juros e aumento do câmbio ele perdeu.

O Brasil pode retomar o crescimento se privatizar tudo e entregar a soberania nacional?

Guilherme Mello – Estamos diante de um neocolonialismo. Muitos questionam: o Brasil vai crescer mesmo que abra, entregue e venda tudo aos estrangeiros? Petrobras, aeroportos, portos, empresas públicas de energia…? Porque o medo de muitos segue o raciocínio: se o país crescer esse governo se sustenta por um tempo, ganha validação política. No curto prazo, pode ser que sim. Mas a equação do PIB demonstra que não.

Equação do PIB = Consumo privado + Investimentos totais (públicos e privados) + Gastos do governo + (Exportações – Importações)

Com a queda do consumo, dos investimentos públicos e o aumento das importações  só o aumento do investimento privado não segura o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

O governo descobriu que não só de fé vive o homem. Não basta ter fé que vai crescer. Os representantes do governo dizem tranquilos: “tudo bem, os investimentos estrangeiros vão segurar”. Mas não vão.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários