Número de bancários demitidos até outubro supera o de todo o ano de 2015

Número de bancários demitidos até outubro supera o de todo o ano de 2015

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Número de demissões representa um aumento de 58,4% em relação ao número de postos fechados no mesmo período de 2015

Foi divulgada na quarta-feira, 28, a pesquisa do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Emprego (Caged). O estudo aponta que de janeiro a outubro de 2016 os bancos brasileiros fecharam 10.009 postos de trabalho no Brasil, uma quantia que supera o total fechado em 2015, que foi de 9.886. O número de 2016 representa um aumento de 58,4% em relação ao número de postos fechados no mesmo período no ano passado, que foi 6.319.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A análise por Setor de Atividade Econômica revela que os Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, categoria que engloba grandes instituições como Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander fecharam 7.302 postos de trabalho (78,9% do total de postos fechados). A diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Goretti Barone, destaca que com o desmonte anunciado pelo governo golpista de Temer a redução no quadro de funcionários no BB pode aumentar.

“A diminuição no número de bancários se deu por causa das aposentadorias e demissões. Em virtude delas, vagas foram abertas e o banco não as cobriu. Com o desmonte anunciado recentemente, além de reduzir a quantidade de agências e transformar outras em postos de atendimento, há previsão de redução de cerca de 9 mil postos de trabalho. Isso significa o caos no atendimento à população e a sobrecarga de trabalho para os bancários e bancárias que ficarem, acarretando, inclusive, doenças ocupacionais”, diz Goretti.

Segundo a pesquisa do Caged, a Caixa Econômica Federal foi responsável pelo corte de 1.992 postos de trabalho (21,5%). Assim como no BB, na Caixa também há um cenário de desmonte que acentuará a redução no quadro de funcionários. “O presidente da Caixa anunciou mais de 11 mil demissões. Já temos um quadro defasado de funcionários e a situação tende a piorar. Diante desses números, fica evidente o encolhimento da categoria bancária, principalmente nos bancos públicos”, afirma a diretora do Sindibancários, Lizandre Borges.

Do total dos desligamentos ocorridos nos bancos, 62% foram sem justa causa. Os desligamentos a pedido do trabalhador representaram 28% do total e totalizaram 7.719.

Desigualdade entre homens e mulheres

No momento do desligamento observou-se, praticamente, a mesma diferença na remuneração entre homens e mulheres. As mulheres que tiveram o vínculo de emprego rompido nos bancos no período recebiam R$ 5.360,73, o que representou 71,6% da remuneração média dos homens desligados dos bancos, que foi de R$ 7.483,89.

As 8.699 mulheres admitidas nos bancos nos primeiros 10 meses de 2016 receberam, em média, R$ 3.123,68. Esse valor correspondeu a 71,5% da remuneração média auferida pelos 8.717 homens contratados no mesmo período, que foi de R$ 4.370,31.

“A desigualdade salarial entre bancários e bancárias ocorre porque as mulheres são pouco promovidas nas instituições financeiras por causa do machismo. Um dos empecilhos para a promoção feminina é o papel atribuído às mulheres na sociedade, que é o de cuidar da casa e dos filhos. É preciso rever esse papel, que deveria ser partilhado pelo casal. Além disso, existe, em muitos homens, o preconceito de não querer a mulher como chefe, o que também impossibilita que ela se torne gestora”, declara a diretora do Sindibancários, Claudia Garcia de Carvalho.

Faixa Etária

Os desligamentos se concentraram nas faixas etárias superiores a 25 anos e, especialmente, na de 50 a 64 anos, que registrou um corte de 6.071 postos de trabalho (61% do total de postos fechados). Observa-se que o corte dos postos nos bancos se deu principalmente entre aqueles com maior tempo de casa, sendo compatível com o fato de serem os trabalhadores mais velhos. Entre os 27.425 desligados, a maior parte tinha 10 ou mais anos no emprego (9.379 cortes que correspondem a 34,2% do total). Outros 6.048 tinham entre 5 e 10 anos no emprego (22,1%).

“Os banqueiros querem reduzir o número de agências físicas e implementar agências digitais. Por isso, os funcionários mais velhos, que dedicaram suas vidas inteiras para a empresa, estão entre os mais demitidos, pois os mais jovens estão ligados à questão das novas tecnologias, além de ter custo menor”, declara o coordenador geral do Sindibancários, Jonas Freire.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários