Nota do MTST Brasil sobre a violência da polícia na Cehab e a criminalização do movimento

Nota do MTST Brasil sobre a violência da polícia na Cehab e a criminalização do movimento

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O dia 21 de fevereiro de 2017 ficará marcado como um dia de total descontrole do Estado de Pernambuco no que diz respeito à Segurança Pública. Se a população assistiu horrorizada os desdobramentos do assalto milionário a uma empresa de segurança pela manhã, não foi menos desesperador o campo de guerra criado pela polícia durante a tarde em frente a Companhia Estadual de Habitação de Obras de Pernambuco (CEHAB), no bairro de Campo Grande.

Esperando ser recebido para dar continuidade às negociações em relação à ocupação Carolina de Jesus, que já conta com mais de 1.000 famílias acampadas no terreno do Governo do Estado ao lado do Terminal de Integração do Barro, o MTST viu um debate de política virar caso de polícia.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Após desmarcar a reunião injustificadamente, o MTST decidiu permanecer no prédio da CEHAB e exigir que a agenda fosse cumprida, exigindo respeito às várias famílias que haviam se deslocado da ocupação até o local. Após um pequeno tensionamento, a Polícia decidiu realizar um verdadeiro espetáculo de violência. Com a utilização de bombas de efeito moral, balas de borracha e até armamento letal, disparou ostensivamente contra os manifestantes, deixando dezenas de feridos, dentre elas vários idosos e crianças. O caso mais grave foi o de Vitória Regina Silva Rodrigues Pena, que teve sua perna atravessada por um projétil de armamento letal e precisou ser socorrida no Hospital da Restauração.

Além do saldo de feridos, vários militantes do movimento foram detidos acusados de associação criminosa, dano qualificado ao patrimônio público, tentativa de incêndio e resistência à prisão. Dentre eles, está um advogado do Centro Popular de Direitos Humanos, que foi atingido na perna por balas de borracha e o fotográfo Um dos detidos foi agredido até ter a costela fraturada e sofrer hemorragia interna. Há relatos também de agressões contra uma mulher detida. Todos eles serão levados amanhã para exame de corpo de delito no IML e posteriormente seguirão para Audiência de Custódia no Fórum Joana Bezerra.

Convocamos a todas e todos a se fazerem presentes amanhã, a partir das 9h no Fórum Joana Bezerra.

Lutar não é crime!
Liberdade aos nossos presos políticos!
Criar poder popular!

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários