Nota: em defesa do SUS e contra as privatizações. Não à EBSERH em Santa Catarina!

Nota: em defesa do SUS e contra as privatizações. Não à EBSERH em Santa Catarina!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Está última semana, foi mais uma vez colocado na ordem do dia a discussão sobre a EBSERH – Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, na Universidade Federal de Santa Catarina.

Essa empresa, que foi criada pelo governo federal em 2011 para assumir os Hospitais Universitários, é uma empresa pública de direito privado. Além disso, a lei que criou a EBSERH contém artigos que permitem o ressarcimento de planos de saúde privados à empresa e o recebimento de receitas de entidades privadas (inclusive internacionais). Permite também que sejam firmados “convênios” de “prestação de serviços” com a “sociedade”, em troca de dinheiro, sem nenhum tipo de controle social (o gerente da EBSERH negocia diretamente sem licitação). É a iniciativa privada assumindo o controle dos hospitais universitários. Inclusive tramita no STF ação que discute a inconstitucionalidade da EBSERH.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Por isso os últimos anos tem sido de debates e constantes enfrentamentos sobre esse tema. O movimento organizado, especialmente através do Fórum Catarinense em Defesa do SUS e Contra as Privatizações, que organiza essa luta desde 2012 conseguiu conquistar que fossem realizados ainda no ano de 2014 debates institucionais sobre a Empresa e o Hospital Universitário, e esses debates levaram a um plebiscito realizado em abril de 2015. O resultado do plebiscito foi que quase 70% da comunidade universitária disseram não à EBSERH.

Desde abril o enfrentamento segue, passando inclusive por uma eleição para Reitoria da UFSC, onde a situação do Hospital Universitário serviu de programa de diversas candidaturas, no entanto, sem aprofundar o debate.

Tudo isso culminou nesta última semana, quando no dia 17 de novembro ocorreu mais uma reunião do Conselho Universitário com o objetivo de discutir sobre a adesão do HU/UFSC à EBSERH. O relator do processo, professor Carlos Augusto Locatelli, solicitou o posicionamento da atual Reitora, do Reitor eleito, da direção do HU e da FAPEU (Fundação que mantém alguns profissionais que prestam serviços ao HU) e como não recebeu tais documentos até a data da reunião informou sua impossibilidade de fazer o relato e o parecer. Dessa forma, a pauta foi transferida para sessão futura.

Rapidamente, a sessão foi agendada para o dia 20 de novembro. Embora tenha havido algumas tentativas de colocar esse debate no Conselho em caráter de urgência, o movimento conseguiu “vistas” do processo através de conselheiros contrários a privatização e pela pressão do movimento que estava do lado de fora da sessão do Conselho, mas que se fazia presente lá dentro nos gritos de ordem.

Novamente, a pauta segue para a próxima reunião do Conselho Universitário no dia 24 de novembro, próxima terça-feira.

Importante salientarmos que desde abril de 2015, após o plebiscito, a UFSC tinha claro qual o posicionamento da comunidade universitária e veio ao longo desses últimos 06 meses se isentando de colocar essa pauta no Conselho, assim como veio se isentando, juntamente com a Direção do HU de adotar qualquer medida para solucionar os problemas do Hospital.

Como a história nos mostra que não há coincidências, quais seriam os reais motivos que levam a Direção do Hospital Universitário a não fazer nenhum esforço para chamada de trabalhadores para substituir os cargos vagos? Seria porque essa direção que já se posicionou favorável à adesão da empresa?!

Isso fica claro quando, numa articulação entre direção do hospital e alguns médicos, todos os estudantes de medicina foram dispensados das suas atividades curriculares no dia da reunião do Conselho para irem até lá pedir a aprovação da Ebserh e a privatização do Hospital! Da mesma forma, chefias e membros da direção do HU estavam lá, em desrespeito aos demais trabalhadores do HU que não foram liberados dos seus postos de trabalho.

Lamentavelmente, muitos desses estudantes que pediam a privatização do hospital, em postura duramente antidemocrática, estavam na porta da sessão xingando trabalhadores, servidores e membros da comunidade universitária que se posicionavam contra a EBSERH. É a luta de classes saltando aos olhos!

Assim, a Intersindical Central da Classe Trabalhadora, que compõem com outras várias entidades o Fórum Catarinense em Defesa do SUS e Contra as Privatizações, reitera sua posição contra todas as formas de privatização. Saúde é direito fundamental do povo e não é admissível que atividades de ensino, pesquisa e extensão sejam subordinadas ao interesse privado dentro de uma universidade pública. Em todos os espaços onde a Ebserh já entrou está claro a precarização de todas as relações de trabalho, de ensino e de atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora se soma a convocação de todos os lutadores em defesa do SUS para exigirem o respeito do Conselho Universitário ao resultado do plebiscito e se posicionarem contrários a privatização do Hospital Universitário.

Por tudo isso, façamos coro ao lema do Fórum: “A nossa luta é todo dia! Nossa saúde não é mercadoria!”

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários