Nota das Centrais sobre a Medida Provisória 905

Nota das Centrais sobre a Medida Provisória 905

medida provisória 905

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

As centrais sindicais brasileiras vêm denunciando o caráter predatório da MP 905 desde seu lançamento pelo Governo Bolsonaro, em novembro de 2019. A aprovação dessas Medidas que afetam diretamente a classe trabalhadora sem dialogo ou consulta às centrais e demais entidades sindicais, é mais um ataque à democracia.

Condenamos veementemente a decisão da Câmara de aprovar a Carteira da Vergonha na data de ontem, 14 de abril de 2020, em meio ao crescimento da crise sanitária, social e política que o pais atravessa.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A pretexto de reduzir encargos trabalhistas para empresas e, assim, estimular a geração de empregos, o programa, na verdade, visa eliminar os direitos trabalhistas e benefícios como o FGTS .

A falácia da reforma trabalhista deixou comprovado que a eliminação de direitos e redução de encargos não apenas não gera empregos, como provoca expressiva queda de renda e, consequentemente, do consumo, levando, assim, ao desemprego.

Se a MP 936 for efetivada, não haverá geração de empregos para jovens e para ninguém. Ao contrário, além do agravamento da precarização e da informalidade, ela provocará uma nova descapitalização da Previdência podendo comprometer o pagamento das aposentadorias

Ao aprovar as MPs 905 e 936, retirando direitos, estendendo jornadas de trabalho e destruindo medidas de proteção e segurança de saúde, os Parlamentares que a apoiaram serão cúmplices de uma crise que aumentará ainda mais o nível de enfermidades entre trabalhadoras e trabalhadores neste atual contexto de pandemia.

Neste sentido manifestamos total rechaço ao que foi aprovado e reivindicamos de forma contundente que o Senado não vote o texto da MP 905 aprovado na Câmara dos deputados para que a mesma deixe de ter vigência. Reivindicamos também que o Congresso, as representações empresariais e sindicais criem uma mesa de dialogo para buscar soluções aos problemas existentes nas pequenas e médias empresas para manter os empregos e salários.

São Paulo, 15 de abril de 2020

Sérgio Nobre – Presidente da CUT – Central Única dos Trabalhadores

Miguel Torres – Presidente da Força Sindical

Ricardo Patah- Presidente da UGT – União Geral dos Trabalhadores

Adilson Araújo – Presidente da CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil

José Calixto Ramos – Presidente da NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores

Antonio Neto – Presidente da CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários