fbpx

No Piauí, 30 trabalhadores de extração do pó da carnaúba são resgatados em condições análogas à escravidão

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora

O Ministério do Trabalho e Previdência Social flagrou e resgatou 30 trabalhadores em condições degradantes de trabalho numa ação de auditoria realizada em duas fazendas de extração da palha de carnaúba, na Zona Rural de Cajueiro da Praia (PI). Alguns trabalhadores dormiam no local de criação de ovinos, junto a fezes e urina dos bichos. Outros dormiam em redes armadas numa casa de farinha abandonada, sem proteções laterais, piso de chão bruto e sem instalações sanitárias.

O local das refeições era a céu aberto, sem mesas ou cadeiras. Os alimentos eram preparados no chão, em fogareiros improvisados e a água armazenada em barris reutilizados, que antes continham produtos químicos.

A comida armazenada para consumo ficava exposta a ratos, inclusive com fezes dos animais encontradas na farinha consumida pelos operários.

A auditoria verificou que a maioria dos trabalhadores resgatados não possuía contrato formal e não utilizava os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) necessários para a realização das atividades.

A operação ocorreu entre os dias 28 de outubro e 5 de novembro e resultou no resgate dos trabalhadores e na interdição do local pela auditoria do Ministério do Trabalho e Previdência Social, com imputação de multas administrativas aos empregadores, pagamento das verbas indenizatórias e emissão das parcelas do seguro-desemprego aos resgatados, além do deslocamento dos trabalhadores para a zona rural de Granja (CE), seu local de origem, com todas as despesas custeadas pelos empregadores.

Os relatórios da ação fiscal serão encaminhados ao Ministério Público do Trabalho e à Procuradoria da República para que sejam movidas as ações judiciais contra os empregadores envolvidos.

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top