‘Não dá para fazer revolução no Brasil sem os cristãos’, alerta Simony dos Anjos

‘Não dá para fazer revolução no Brasil sem os cristãos’, alerta Simony dos Anjos

Simony Cristina dos Anjos

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Uma das exposições que mais chamou a atenção das participantes do 2º Encontro de Mulheres da Intersindical foi a de Simony Cristina dos Anjos, do coletivo das Evangélicas pela Igualdade de Gênero, colunista do site Justificando.

A plateia presente não conhecia o trabalho da socióloga, negra e evangélica, que luta para interseccionar a esquerda junto ao grupo religioso que representa nada menos que 173 milhões de brasileiros e brasileiras.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Deste contingente há 36,8% católicos e 22% de evangélicos, não dá para fazer revolução no Brasil sem essa gente”, pontua a líder feminista.

“As pessoas que votaram no Bolsonaro são todas racistas machistas? Não, mas elas estão na igreja e votam como a Igreja diz para pensar”, lembra.

Feminismo evangélico

“Somos feministas cristãs, é contraditório, mas a contradição faz parte da luta de classes”, afirmou ela, despertando a plateia.

Estudar como interseccionar a luta das mulheres negras, por exemplo, com o feminismo evangélico, e as vítimas de violência, tem sido um de seus principais desafios.

“Eu atuo na violência doméstica, as evangélicas são as que mais buscam a casa de apoio à mulher Loreta Valadares, em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador”. “São mulheres brancas? Não, como vamos conversar com essa população? Como a esquerda considera qual inimigo vai bater?”, exemplifica.

A contribuição da Igreja no racismo e o menosprezo à própria cultura negra e seus símbolos é algo que precisa ser estudado pela esquerda e traçado um discurso de como conscientizar e desenvolver uma nova militância, especialmente entre os evangélicos.

“Não é por acaso que um dia os negros resolveram ser crentes, houve uma violência de Estado que levou estas pessoas a isso. Ali elas se sentem reconhecidas”, diz.

A igreja, segundo ela, potencializa as pessoas. “Temos que levar isso em consideração. Precisamos estudar a doutrina deles, o que estamos fazendo para sermos inteligíveis para essas mulheres cristãs? Temos que flexibilizar o modo de falar, de modo a ser acessível a essa população”, afirma dos Anjos.

Há teólogos cristãos feministas e todo um movimento, inclusive, que busca esclarecer a tradução machista da Bíblia.

A socióloga alerta: “a intolerância religiosa é um braço do capital para neutralizar as pessoas, fazem as classes se odiarem para que as pautas econômicas sejam protegidas”. E finaliza: “É possível aliar fé cristã e luta? Nós achamos que sim”.

Texto: Tsuli Turbiani


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários