Bernadete Menezes | Não à violência de Richa e ao arrocho de Dilma

Compartilhe

  • Bernadete Menezes*

O que aconteceu no Paraná é inaceitável! Às vésperas do 1º de maio, um verdadeiro massacre contra professores, acompanhado pelo governador Beto Richa (PSDB), que assistia e torcia do alto de seu gabinete, como mostram vídeos nas redes sociais.

Está claro. Este é o método para impor o arrocho comandado pelo governo Dilma e aplicado a ferro e fogo pelos governos estaduais e municipais. Impedem o povo de ocupar “A Casa do Povo” e cortam direitos dos trabalhadores para garantir o pagamento da dívida pública. Ou seja, ataca os pequenos e garante lucros fabulosos para os ricos. Tudo isso com a garantia dos maiores juros do mundo, que passaram a 13,25%. Um escândalo!

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Assim foi a votação na Câmara do Projeto de Lei 4330/04, que amplia as terceirizações, precarizando o trabalho. PL, este, condenado, inclusive, pelos Ministros do TST (Tribunal Superior do Trabalho). As Medidas Provisórias 664 e 665 atacam entre outros direitos, o seguro desemprego, justo quando as demissões aumentam em todo o país. Além da privatização de patrimônio público construído com nosso dinheiro, como aeroportos, portos e poços de petróleo.

Em todo o mundo há uma luta contra o ataque a um patamar civilizatório que nós trabalhadores conquistamos nos últimos dois séculos. Com muita mobilização, perda de vidas, feridos, prisões, exílios e repressão.

Se compararmos nossa luta com uma corrida de revezamento, nossa geração está passando um bastão de direitos pela metade para a juventude que entra no mercado de trabalho. São ataques à previdência, aumento de horas de trabalho, terceirizações, acidentes de trabalho, sucateamento dos serviços públicos, adoecimento dos trabalhadores, trabalho escravo e muitas coisas mais.

Mas isso não está ficando sem respostas. A juventude tem ido às ruas nas principais capitais do mundo. O povo grego tem reagido à altura fazendo Auditoria da Dívida Pública e dizendo que o povo não vai pagar esta conta. Aqui não é diferente. As mobilizações de 2013, a greve dos professores do Paraná e de outros cinco estados reflete o que disse uma jovem do Grêmio da Escola Júlio de Castilhos, em Porto Alegre: em uma manifestação ”Lutamos porque não queremos ser uma geração terceirizada!”

________________

Berna 001*Bernadete Menezes Secretária de Defesa do Serviço Público da Intersindical e Coordenadora da ASSUFRGS (Associação dos Servidores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários