MST realiza ocupação em propriedade da Fibria no ES

MST realiza ocupação em propriedade da Fibria no ES

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Mais 150 famílias do MST ocuparam a Fazenda Agril, cuja área tem mais de 8 mil ha e é utilizada para desviar água do Rio Doce e abastecer a fábrica da empresa.

Na última sexta feira (20), mais 150 famílias do MST ocuparam a Fazenda Agril da Fíbria, cuja área tem mais de 8 mil ha e é utilizada para desviar água do Rio Doce e abastecer a fábrica no município de Aracruz, onde a empresa mantém seus plantios de eucalipto em territórios que outrora viviam comunidades indígenas e quilombolas. 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Além das terras tomadas pela Aracruz Celulose, atualmente Fibria, a empresa desvia imensa quantidade de água para produção de papel e celulose. Com o desastre ambiental e social, em que a Samarco provocou em Mariana (MG), mas que alastrou por todo o Rio Doce, agravou ainda mais a situação das famílias que vivem do rio, como é o caso dos pescadores e ribeirinhos.

Para Rodrigo, da Direção Estadual do MST no Espirito Santo, “a ocupação de terra é uma das poucas alternativas aos moradores dessa região, pois é a possibilidade de conquistar terra para morar e trabalhar”. O dirigente acrescenta ainda que, “a ocupação da área foi bem recebida pelos moradores de Regência e outras comunidades. Muitas delas se integraram ao grupo para ocupar a área”.

A Fibria é a maior detentora de terra no estado, utilizando-a para o plantio de eucalipto. Mas a Fazenda Agril, por onde passa o canal Caboclo Bernardo, levando o pouco de água que chega em Linhares, é considerada pela empresa, área de preservação ambiental, conforme placa de identificação na área.

Enquanto a placa de identificação afirma que é uma “área de alto valor de conservação ambiental”, é possível ver rebanho bovino nas proximidades do leito do canal.

É assim que a empresa desapropria terra, expulsando camponeses e em conivência com o governo municipal e estadual, pois, junto com as mineradoras, como é o caso da Samarco, são as maiores financiadoras das campanhas eleitorais, em diversas eleições.

Parte das famílias já estão a mais de 7 anos em barracos de lona preta, na luta pela conquista de um pedaço de chão para construir, juntamente com outros companheiros/as, vida digna no campo e produzir renda e alimento para suas famílias e para a sociedade.

MST 010_02

Fonte: Página do MST

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários