MPF recebe denúncia contra Volkswagen por participação em repressão a operários

MPF recebe denúncia contra Volkswagen por participação em repressão a operários

Compartilhe

Multinacional é acusada de coautora em prisões, tortura e espionagem contra seus funcionários  durante ditadura cívico-militar

Uma representação de cerca de 70 páginas, com provas e argumentos jurídicos acerca da participação da multinacional alemã Volkswagen em atos de repressão do regime militar no Brasil entre os anos de 1964 a 1988, foi entregue nesta terça, 22, ao Ministério Público Federal em São Paulo. Assinada por dez centrais sindicais, as Comissões da Verdade Nacional, do Estado de São Paulo e de São Bernardo, e representantes das vítimas de atos de tortura cometidos, de acordo com os documentos apresentados, com anuência ou participação da empresa, a representação, elaborada pelo Fórum de Trabalhadores por Verdade, Justiça e Reparação, conta com um anexo de mais de 500 páginas contendo toda a documentação pertinente, e visa subsidiar a Procuradoria na elaboração de uma Ação Civil Pública contra a multinacional.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

De acordo com as denúncias e documentações colhidas, a participação e colaboração da Volkswagen com o aparelho repressivo da ditadura se deu tanto a nível de apreensão e tortura de operários nas dependências da empresa quanto através de espionagem (elaboração de listas de trabalhadores suspeitos) e doações de carros e recursos aos militares.

Durante o ato de entrega da representação, o ex-deputado federal e relator da Lei da Anistia, Modesto da Silveira, fez uma fala emocionada sobre os inúmeros presos políticos que defendeu como advogado durante a ditadura militar. Reforçando a importância da documentação elaborada para a representação, afirmou que ja é passada a hora de imputar as empresas multinacionais que financiaram as ditaduras latino-americanas.

Já o ex-ferramenteiro Lucio Bellentani, em curto depoimento aos procuradores Pedro Machado e Marlon Weichert, relatou sua prisão no interior da empresa. “Trabalhei na Volkswagen entre 1964 e 1972. Naquele ano, uma noite estava fazendo meu trabalho de manutenção dos equipamentos na sala de prensas, eram aproximadamente 23 horas, quando senti alguém encostar uma metralhadora nas minhas costas”.

“Vi o chefe da segurança da empresa, o coronel Adhemar Rudge, parado lá, com uma arma na mão. Aí me levaram para o departamento pessoal, e já começaram a me bater. Depois me levaram para o Dops, onde fui torturado durante 47 dias. Enquanto isso, minha esposa ia todos os dias para a firma procurar por mim, e eles diziam que não sabiam de nada. Só quando ela resolveu reivindicar meu seguro de vida é que a Volkswagen a mandou para o Dops, falaram que eu poderia estar lá”.

Coordenador do Projeto Investigação Operária e do processo de elaboração da representação, Sebastião Neto explica que o objetivo do Fórum de Trabalhadores é cobrar, através do processo de judicialização, uma admissão de culpa e a reparação coletiva às vítimas por parte da multinacional:  “Nossa expectativa é que o MPF acate nossa representação e impetre uma Ação Civil Pública contra a Volkswagen. Queremos justiça e reparação, esse é o nosso principal objetivo. Mas não é apenas a Volkswagen que deve ser cobrada; há outras empresas, como o Metrô e a Embraer, que também estiveram envolvidos nos processos de repressão, e que devem responder por isso. É preciso que o setor empresarial que esteve intimamente ligado ao golpe e ao regime militar seja identificado e responsabilizado. A Volkswagen é só a primeira neste processo de busca de verdade, justiça e reparação”, explica.

Leia também:
Fórum de trabalhadores realiza ato por justiça e reparação das violações durante a Ditadura
Para cumprir as tarefas de justiça e reparação é preciso responsabilizar o empresariado

Após o ato de assinatura e a entrega formal da representação, o procurador Pedro Machado se comprometeu a dar máxima prioridade ao tema. “Reafirmamos aqui o nosso compromisso de dar a maior atenção a essa representação. O tema da Memória e da Verdade é muito caro ao Ministério Público”, afirmou.

Na avaliação do MPF, a reunião de uma documentação consistente deve facilitar as análises jurídicas dos procuradores. “É uma inversão importante no processo de memória e verdade o fato de a sociedade civil ter tomado a iniciativa de reunir e apresentar uma documentação de difícil acesso como neste caso. Para o MPF, principalmente, lidar com temas ligados questões trabalhistas é mais difícil uma vez que esta é a área do Ministério Publico do Trabalho; que, infelizmente, não tem jurisdição neste tipo de caso. Assim que parabenizo este grupo pelo trabalho e pela reunião de tantas organizações sindicais nesta representação. Vocês estão nos dando uma oportunidade de abrirmos um novo capítulo importante no processo de justiça, verdade e reparação”, concluiu o procurador Marlon Weichert.

Na Europa

Nesta quarta, 23, a notícia da representação contra a Volkswagen repercutiu em todos os grandes meios de comunicação da Alemanha, bem como em jornais da Suíça, da Áustria e da Inglaterra. De acordo com um levantamento realizado por Christian Russau, da diretoria da Associação de Acionistas Críticos da Alemanha (organização que acompanha grandes empresas cuja atuação causa danos ou viola direitos humanos e ambientais em outros países), ao menos 30 grandes veículos – como Süddeutsche Zeitung, Die Welt, Die Zeit, Neue Zürcher Zeitung, Deutsche Welle, Stern, Huffington Post, Wirtschaftsblatt, Der Tagesspiegel, Bild, BBC, The Independent e outros – deram destaque às denúncias contra a multinacional automotiva.

Esta atenção se deve ao fato de que a Volkswagen já é ré em uma ação bilionária dos Estados Unidos por fraudes nos equipamentos de emissão de gases de veículos da empresa. Segundo a imprensa alemã, a multinacional teve perdas importantes na bolsa de valores. A acusação de participação ou leniência com crimes de tortura no Brasil piorou ainda mais sua situação, avaliaram vários jornais.

Clique aqui para mais informações sobre as denúncias contra a Volkswagen.

Volkswagen 002
Procuradores do MPF Marlon Weichert e Pedro Machado se comprometem a priorizar análise de material

Fonte: Fundação Rosa Luxemburgo / Verena Glass

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
Intersindical no 18° Congresso Sindical. Mundial, em Roma (Itália)
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
SindSaúde-SC na luta pelo Piso Nacional da Enfermagem
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, no 1º de Maio em SP
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários