MP do ensino médio é uma farsa, todos de olho na PEC 241!

MP do ensino médio é uma farsa, todos de olho na PEC 241!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A Medida Provisória 746/16 é uma medida autoritária que não resolve os problemas no ensino médio, afirma Neiva Lazzarotto, integrante do Cpers Sindicato e diretora da Intersindical Central da Classe Trabalhadora. Segundo ela, “o que o governo anuncia é uma farsa, pois diz que vai fazer ampliação progressiva do ensino integral ao mesmo tempo em que quer aprovar a PEC 241, de congelamento dos investimentos públicos por 20 anos”.

“Existe sim no ensino médio alta evasão escolar e falta de professores, o que não é contemplada por essa MP. Faltam professores e eles vão obrigar professores de outras áreas a darem o conteúdo das disciplinas que faltarem, um absurdo”, diz ela.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“A solução é mais investimento em educação, é pagar o piso nacional dos professores (que não é cumprido), investir na qualificação psicopedagógica nas escolas para que elas estejam mais preparadas para enfrentar a sociedade e o mundo do trabalho”, afirma Neiva.

A MP criou a farsa da política de fomento às escolas de ensino médio em tempo integral. “O governo já anunciou investimento de R$ 1,5 bilhão para que cerca de 500 mil alunos estejam matriculados em tempo integral até o fim de 2018, o que é isso para um país inteiro? Isso não é nada para quem pretende congelar o orçamento da educação pública por 20 anos e proibir a contratação de novos servidores”.

“Na sexta-feira o governo manobrou, recuou e depois recuou do recuo e insistiu com o mesmo conteúdo da MP numa edição extra do Diário Oficial. Em alguns casos, o novo sistema até agrava a situação dos filhos da classe trabalhadora, que precisam trabalhar ou cuidar dos irmãos e não terão como passar para o ensino integral. Possivelmente essa MP pode até ampliar a evasão escolar. Porque se os estudantes filhos de trabalhadores não puderem ficar em tempo integral, eles migrarão para o EJA (antigo supletivo), ensino de um ano e meio para aqueles que não puderam cursar o ensino tradicional, o que na prática significará uma redução do tempo de estudo”, alerta Neiva.

A MP amplia gradualmente a carga horária do ensino médio para 1.400 horas; prevê português, matemática e inglês obrigatoriamente nos três anos do ensino médio; e adota currículo composto pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e por itinerário específico com ênfase em linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas e formação técnica e profissional.

“Acho que vai haver um levante nacional dos educadores e estudantes contra essa MP 746, que tem 120 dias para ser apreciada pelo Congresso,  mas é preciso que haja mobilização em massa e paralisação dos centros de ensino. Até o Faustão, falou na TV Globo, que um país que conquista a Olimpíada corta a educação física e isso repercutiu muito negativamente para o governo. Esse é um governo a serviço da elite, que tenta amordaçar o pensamento crítico, mascarar as desigualdades e cercar por todos os lados a visão da classe trabalhadora contra esse projeto golpista”, diz a educadora.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Manifestação contra a #PEC32
Manifestação contra a #PEC32
#7SForaBolsonaro
#7SForaBolsonaro
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários