Movimentos sociais se reúnem com o governo para discutir a privatização da Celg

Movimentos sociais se reúnem com o governo para discutir a privatização da Celg

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Um conjunto de organizações sociais e centrais sindicais, ao lado de sindicatos de trabalhadores urbanitários de Goiás e de outras partes do Brasil estiveram reunidos nesta segunda-feira (1) em Brasília com representantes dos ministérios das Minas e Energia, Casa Civil e Relações Institucionais para discutir a privatização da Companhia Energética de Goiás (Celg) – a primeira de uma série de mais seis distribuidoras.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Para a surpresa dos movimentos, os secretários-executivos dos três ministérios não apenas informaram que o governo Dilma irá sim privatizar as distribuidoras de energia como também foram ameaçados de sofrerem com cortes de verbas na saúde e educação caso a privatização não ocorra.

De acordo com os representantes do governo, o setor de distribuição de energia brasileiro precisa de R$ 18 bilhões em investimentos. A Celg necessitaria de algo em torno dos R$ 1,5 bilhão. A intenção do governo federal é vender a Celg por R$ 3 bilhões, sendo que R$ 1,8 bilhão ficariam com o estado de Goiás e o restante com o governo federal.

Edson Carneiro Índio, secretário-geral da Intersindical da Classe Trabalhadora, expôs durante a reunião que a venda de um patrimônio público como a Celg não chega, sequer, a pagar um dia do juros que o governo federal gasta com a dívida pública e a manutenção da taxa de juros nas alturas.

Washington Fraga, diretor do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas no Estado de Goiás (Stiueg) disse que a reunião com o governo foi frustrante, mas por outro lado destacou a unidade dos movimentos ali presentes e representados.

“Encaramos como positiva a reação dos movimentos sociais e outras instituições que apoiam a não privatização do setor elétrico. Eles se colocaram dispostos a romper com o Governo caso não haja mudança no sentido das privatizações”, destacou Fraga.

Das centrais sindicais presentes estiveram Intersindical, CUT, CTB, Conlutas; dos movimentos sociais MST e Mabe; além da Federação Nacional dos urbanitários, de diversos sindicatos nacionais de urbanitários e dos deputados federais Rubens Otoni (PT-GO) e Érika Kokay (PT-DF).

Confira um trecho da intervenção de Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical, na Audiência Pública com os ministérios da Casa civil, Minas e Energia e Relações Institucionais sobre privatização das elétricas:

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários