Moradores de Vila Soma respiram aliviados após ameaça de desocupação truculenta

Moradores de Vila Soma respiram aliviados após ameaça de desocupação truculenta

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Os moradores da maior ocupação urbana do País, a Vila Soma, localizada em Sumaré, município a 115 km da capital paulista, acordaram nesta segunda-feira (18) aliviados após meses de tensão e ameaça de desocupação truculenta.

Na última quinta-feira (14), o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu, por meio de liminar, a reintegração de posse na área de 1 milhão de metros quadrados, onde vivem cerca de 10 mil pessoas. A retirada das famílias, com o auxílio da Polícia Militar, estava marcada para o domingo (17).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Mesmo com a decisão judicial, o receio de uma possível reintegração violenta no domingo fez com que 30 famílias deixassem suas casas. “Mesmo com a vitória judicial via liminar tínhamos o temor de que se repetisse o massacre de Pinheirinho”, relata William Souza, líder do movimento de moradia em Sumaré.

“Hoje a comunidade respirou aliviada, o clima aqui está ótimo, vencemos uma batalha, mas a luta continua”, afirma Souza.

O líder do movimento de moradia em Sumaré atribui a inédita decisão da Suprema Corte ao caso Pinheirinho, ocupação em torno de 9 mil pessoasem São José dos Campos, que ganhou páginas policiais e repercussão internacional pela truculência da Polícia Militar, em 2012.

O próprio ministro do STF, Ricardo Lewandowski, citou em sua decisão a desocupação do Pinheirinho, marcada pelo confronto violento entre policiais e moradores.

“Usamos os relatos de Pinheirinho em nossas argumentações jurídicas, o núcleo de habitação da Defensoria Pública também alertou para a semelhança do caso e a ameaça de tragédia”, diz Souza.

A Vila Soma é um exemplo de organização e gestão horizontal. Abriga hoje mais de 10 mil pessoas. São cerca de 2.700 famílias organizadas em 38 ruas. Cada rua possui o seu líder, eleito pelos próprios moradores, que cuida desde possíveis brigas de vizinhos à organização dos moradores. O que a comunidade busca é harmonia em suas relações e a luta pela moradia.

No momento a comunidade da Vila Soma não permite a entrada de novos moradores, para evitar o crescimento desordenado, uma vez que eles não tem água nem saneamento. Tudo é feito em fossas e a água é comprada e chega por caminhões-pipa. Alguns moradores utilizam geradores, mas muitas famílias vivem sem energia elétrica.

A ação de reintegração de posse foi solicitada em 2012 pelas empresas Melhoramentos Agrícola ViferLtda e a massa falida da Soma Equipamentos Industriais Ltda.

O local foi abandonado após a falência da Soma, há mais de 30 anos. Em junho de 2012, começaram a chegar os primeiros ocupantes, montando acampamentos e se acomodando como podiam. Atualmente, a Vila Soma tem estrutura consolidada, com casas de alvenaria, 38 ruas e até mesmo pequenos comércios.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários