fbpx

Ministro da Saúde tem que explicar planos de encolher o SUS

Grande mobilização nacional está marcada para 6/7, em defesa do Sistema Único de Saúde. No mesmo dia, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, terá que explicar em audiência pública no Senado suas declarações em que sinaliza a privatização do sistema público de saúde.

Uma audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado ouve na manhã desta quarta-feira (6) o ministro da Saúde, Ricardo Barros, sobre declaração dada à imprensa defendendo uma revisão no tamanho do Sistema Único de Saúde (SUS). À tarde, será lançada na Câmara dos Deputados a Frente Parlamentar Mista em Defesa do SUS com ato popular às 17h.

Vários parlamentares manifestaram preocupação com a possibilidade de o governo ilegítimo de Michel Temer promover uma diminuição do sistema de saúde pública.

Em declaração dada ao jornal Folha de S.Paulo, dias depois de assumir a pasta, o ministro defendeu o encolhimento do SUS, a reforma da Previdência e  sinalizou que o governo não fornecerá mais o acesso de todos à saúde.

O autor do pedido da audiência pública, senador Humberto Costa (PT-PE), teme retrocessos no atendimento médico e hospitalar gratuito, com a intenção de privatizar cada vez mais os serviços de saúde.

No requerimento do pedido de audiência, Costa afirma que “esse é um fato gravíssimo e violador dos preceitos fundamentais que embasam o Sistema Único de Saúde, notadamente o da universalidade do atendimento à população brasileira”.

A audiência pública no Senado será realizada no plenário 9, na Ala Senador Alexandre Costa, e é interativa. Perguntas e comentários podem ser feitos por meio do portal e-Cidadania, no endereço www.senado.leg.br/ecidadania e do Alô Senado, pelo número 0800 61 2211.

No mesmo dia, às 17h, será lançada a Frente Parlamentar Mista em Defesa do SUS no plenário 1, anexo 2 da Câmara dos Deputados. Movimentos sociais planejam atos de defesa da saúde pública e contra a privatização do SUS.

Unidades de saúde por todo o país prometem aderir aos atos em defesa da saúde pública universal, como garante a Constituição Federal.

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top